17 de maio de 2022   |   18:13  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Estudo sugere que pipoca de micro-ondas pode causar danos cerebrais

Pesquisa da USP avaliou cérebro de ratos que consumiram por 90 dias composto responsável por dar sabor amanteigado ao produto.

_________________Publicidade_________________

Para acompanhar um filme no sofá de casa, a pipoca é uma das principais opções de muitas pessoas. O Brasil é o segundo país que mais consome o alimento no mundo. Porém, estudo feito pela Universidade de São Paulo (USP) lança um alerta ao sugerir que o consumo da pipoca de micro-ondas pode gerar danos à saúde.

Os cientistas do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP identificaram moléculas associadas ao Alzheimer no cérebro de ratos que consumiram durante 90 dias seguidos o diacetil, composto responsável por dar sabor e aroma amanteigado à pipoca de saquinho comercializada nos supermercados.

O diacetil ganhou destaque no ramo alimentício principalmente por seu uso como conservante e flavorizante (substância que acentua aromas e sabores). Ele também é encontrado naturalmente em produtos como cafés, cervejas e chocolates. Porém, na pipoca de micro-ondas é usado como aditivo, em maior concentração.

Foto colorida de estudo com cérebros de ratos
Imagem à esquerda mostra o cérebro de ratos que não consumiram o diacetil. À direita, o cérebro dos animais que ingeriram o composto, indicando forte presença de moléculas associadas ao Alzheimer (pontinhos em vermelho) Foto: Lucas Ximenes/Divulgação/USP

“Nós observamos que realmente existe essa tendência do diacetil causar danos ao cérebro. De 48 proteínas cerebrais que avaliamos após a exposição dos animais ao produto, 46 sofreram algum tipo de desregulação ou modificação em sua estrutura por conta do consumo prolongado do composto”, explica Lucas Ximenes, doutorando do IQSC e autor da pesquisa.

De acordo com Lucas, algumas pesquisas também já comprovaram que o diacetil é capaz de causar doenças pulmonares, como a bronquiolite obliterante, apelidada como “doença da pipoca de micro-ondas”.

Riscos e opções

Mas isso quer dizer que devemos parar de consumir o produto?

A nutricionista Laura de Souza, da clínica Nutrindo o Conhecimento, afirma que é importante, sempre que possível, evitar o consumo de alimentos industrializados. “Esse tipo de alimento tem, em sua maioria, alguma quantidade de química para dar sabor, textura e até mesmo aumentar a durabilidade do produto. Esses ingredientes não fazem bem para a saúde a longo prazo”, explica.

A nutricionista destaca que a pesquisa foi feita em ratos. Além disso, levou em consideração um período longo e frequente de consumo: 90 dias, o que nem sempre ocorre na vida das pessoas. De acordo com ela, não é preciso deixar de consumir pipoca, que inclusive é uma aliada das dietas. Mas destaca que existem formas mais saudáveis para ingerir o produto.

Ela dá algumas sugestões:

Opção 1:

Colocar quatro colheres de sopa de milho de pipoca e uma colher de azeite em uma vasilha de vidro coberta com papel filme e levar ao micro-ondas por três minutos.

Opção 2:

Colocar quatro colheres de sopa de milho de pipoca e uma colher de azeite em panela funda em fogo alto e balançar até estourar tudo.

Opção 3:

Usar a pipoqueira elétrica.

Por Metrópoles

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS