Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Estrela chinesa do tênis acusa ex-líder do Partido Comunista de assédio sexual

_________________Publicidade_________________

A explosiva acusação na internet com a hashtag #MeToo (movimento contra o assédio sexual) de uma estrela do tênis chinesa contra um ex-líder de estado foi abafada pela censura geral. As autoridades correram para eliminar qualquer menção a um escândalo politicamente delicado que repercutiu na internet chinesa.

Peng Shuai, de 35 anos, campeã de duplas de Wimbledon e de Roland Garros, acusou na terça-feira (2) o vice-premiê aposentado Zhang Gaoli de pressioná-la a fazer sexo, de acordo com imagens de uma postagem excluída da conta verificada de Peng no Weibo, rede social chinesa semelhante ao Twitter.

Na postagem, que parece uma carta aberta a Zhang, ela alega um relacionamento durante um período intermitente de pelo menos 10 anos. Peng diz que ela abriu seu coração para ele.

“Por que você teve que voltar para mim, me levou para sua casa para me forçar a fazer sexo com você? Sim, eu não tinha nenhuma evidência, e era simplesmente impossível ter evidência”, escreveu ela.

“Eu não poderia descrever o quão enojada eu estava, e quantas vezes eu me perguntei se ainda sou um humano? Eu me sinto como um cadáver ambulante. Todos os dias eu estava atuando, quem sou eu verdadeiramente?”

CNN não conseguiu contato com Zhang, de 75 anos, que serviu no Comitê Permanente do Politburo do Partido Comunista, o órgão de liderança supremo do país, de 2012 a 2017, durante o primeiro mandato do líder chinês Xi Jinping no poder. Ele se aposentou como vice-primeiro-ministro em 2018.

Na China, os principais líderes da posição de Zhang permanecem inacessíveis e privados, mesmo após a aposentadoria, o que torna virtualmente impossível encontrá-lo para comentar esta história.

O vice-primeiro-ministro chinês Zhang Gaoli / Lintao Zhang/Getty Images

O movimento #MeToo da China já teve como alvo acadêmicos, trabalhadores de ONGs e celebridades – com resultados variados. Mas esta é a primeira vez que atinge os escalões mais altos do Partido Comunista.

“Devemos perceber o quão notável é para Peng Shuai escolher falar. Poucas pessoas teriam a coragem de fazer isso, porque isso poderia vir à custa de sua segurança e da sua família”, disse Lv Pin, uma proeminente feminista chinesa, agora vivendo em Nova York.

Para aumentar a sensibilidade política, o escândalo também aconteceu poucos dias antes de uma reunião crucial das elites do partido em Pequim, que deve abrir caminho para que Xi Jinping concretize um terceiro mandato.

Censura

Enquanto as alegações de Peng agitavam a internet, a censura começou com uma velocidade e ferocidade nunca vistas em nenhum dos casos #MeToo anteriores do país.

Sua longa postagem, publicada pouco depois das 22h, na terça-feira, foi excluído em menos de 30 minutos. As capturas de tela inicialmente circularam amplamente nas redes sociais e em grupos de bate-papo privados, mas logo foram censuradas também, junto com outras postagens que discutiam o caso.

A conta verificada de Peng, que tem mais de meio milhão de seguidores, permanecia no Weibo até a noite de quarta-feira. Mas foi bloqueado de pesquisas. Todas as seções de comentários nas postagens anteriores dela também foram fechadas.

Em um sinal a nível sem precedentes de censura, até mesmo uma página de discussão do Weibo sobre tênis foi fechada para comentários. E referências obscuras ao escândalo também foram removidas.

No Douban, o site de resenhas de filmes parecido com o IMDB da China, a página do programa de TV de romance coreano “O Primeiro Ministro e eu” foi censurada, depois que usuários discutiram o caso de Peng em sua seção de resenhas.

Via-CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas