12 de agosto de 2022   |   00:30  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Entre os estados do Norte, Acre tem a menor taxa de mortes violentas em 2021 de acordo com anuário do MP

O secretário de Segurança Pública do Acre, Paulo Cézar Santos, pontuou que o uso desse tipo de informação foi fundamental para essa redução.

_________________Publicidade_________________

De acordo com o Anuário de Indicadores de Violência no Acre lançado neste sábado (16), o estado do Acre está na sétima colocação no ranking de mortes violentas dos estados da região Norte.

O Anuário se refere ao período de 2012 a 2021 e foi lançado pelo Ministério Público do Acre. Produzida pelo Observatório de Análise Criminal, setor integrante do Núcleo de Apoio Técnico (NAT), além de conter informações do Conjunto de Variáveis dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), Mortes Violentas Intencionais (MVI), Homicídios Dolosos Consumados (HDC), Mortes Decorrentes de Intervenções Policiais (MDIP), entre outros indicadores.

Os índices de mortalidade de forma violenta tiveram uma queda de 40% segundo comparação com o ano de 2020. No estado 192 pessoas foram vítimas fatais no ano passado, representando uma taxa de 21,2 mortes a cada 100 mil habitantes, sofrendo uma redução comparado ao ano anterior que foi de 36 mortes a cada 100 mil habitantes, na época o estado ocupava a segunda colocação no ranking.

Segundo o Procurador-Geral Danilo Lovisaro, o relatório tem o objetivo de conduzir ações de prevenção e repressão de controle social e faz parte da programação do aniversário de 59 anos do MP-AC.

“É um documento muito importante que reúne dados de um grande espectro temporal, desde 2012 a 2021, com ênfase para os dados do ano passado e contempla diversos índices que visam analisar a violência no nosso estado. Em 2017, tivemos o ápice no nosso estado, mas podemos dizer que começou em 2015, essa guerra entre facções com ônibus incendiados, luta por disputa de território e atuamos nessa época que foi uma explosão de violência. É um esforço e ainda há muito que fazer”, pontuou.

Com informações G1 Acre

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS