10 de agosto de 2022   |   12:56  |  

booked.net

,

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Desmatamento no Acre em 2022 atinge quase 20 mil Arenas da Floresta, diz relatório da Ufac

Laboratório de Geoprocessamento Aplicado ao Meio Ambiente identifica 19.600 hectares de desmatamento de janeiro a junho

_________________Publicidade_________________

O Laboratório de Geoprocessamento Aplicado ao Meio Ambiente da Universidade Federal de Acre (UFAC/Labgama) – instalado no Campus Floresta em Cruzeiro do Sul – divulgou nesta sexta-feira (1º) análise dos alertas de desmatamento para o período de janeiro a junho deste ano no estado.

O total de alertas de desmatamento identificados pelo UFAC/Labgama a metade de 2022 foi de 19.600 hectares. Em uma ilustração do que esse número representa, é como se quase 20 mil campos de futebol das dimensões do estádio Arena da Floresta tivessem ido ao chão, consumidos pelo desmatamento no estado, em apenas 6 meses.

Desse total, 75,5% se concentraram, até o momento, nos municípios de Feijó, Tarauacá, Manoel Urbano, Rio Branco, Sena Madureira e Cruzeiro do Sul. O maior alerta detectado foi de 347 hectares, em Manoel Urbano.

Comparando com o último relatório, divulgado no fim de maio, que mostrava o acumulado dos primeiros cinco meses do ano, constata-se que em junho o somatório de hectares desmatados foi mais que o triplo do valor referente ao período de 1º de janeiro a 22 de maio, quando o Labgama mostrou 6.100 hectares desmatados.

De acordo com o estudo, o desmatamento já ocorre em todos os municípios do Acre, com os alertas tendo ocorrido, principalmente, em áreas particulares, terras públicas e projetos de assentamento. Política pública e gestão agrícola, entre outros, os fatores que têm levado o desmatamento a aumentar em toda a Amazônia, segundo os pesquisadores responsáveis pelo trabalho.

“Os desmatamentos podem não estar mostrando somente problemas ambientais, mas também de gerenciamento agrícola e segurança fundiária, além de segurança pública. O Mapa de 2021 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra a presença do crime organizado na Amazônia”, destaca o relatório.

O mapeamento dos alertas de desmatamento do UFAC/Labgama utiliza imagens do satélite Sentinel2, Landsat e Cbers Mux, com polígonos desenhados por interpretação visual comparando imagens desde outubro/2021 até o momento presente.

O objetivo, segundo os pesquisadores responsáveis pelo trabalho, Sonaira Silva, Antonio Willian Flores, Igor Soares e Adriele Karlokoski, é complementar os dados dos alertas e indicar onde pode haver um desmatamento (florestas derrubadas sem ser queimada).

Com informações Ac24Horas

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS