18 de maio de 2022   |   17:32  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Desmatamento na Amazônia cai em março, mas região registra pior trimestre

Segundo dados do Inpe, são 941 km quadrados de devastação entre janeiro e março, recorde na série histórica iniciada em 2016.

_________________Publicidade_________________

Os alertas de desmatamento na região amazônica chegaram a 312 quilômetros quadrados entre os dias 1º e 31 de março, uma redução de 15% em relação ao mesmo mês do ano passado. Se considerado o desmatamento total registrado no primeiro trimestre deste ano, porém, são 941 km quadrados de devastação entre janeiro e março, recorde na série histórica iniciada em 2016, com aumento de 64% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os dados divulgados hoje são do sistema de alertas Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), ligado ao Ministério de Ciência e Tecnologia. Esses dados são a principal referência do País para medir os índices de desmatamento no Brasil.

“O retrocesso na gestão ambiental foi um objetivo claro nos últimos anos, e os resultados são evidentes nos alertas de desmatamento do primeiro trimestre de 2022 e nos recordes de desmatamento em anos anteriores”, diz a porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil, Cristiane Mazzetti.

Segundo análise do Greenpeace Brasil, só em terras indígenas, a área com alertas de desmatamento registrados no primeiro trimestre de 2022 somavam 749 km quadrados até o dia 25 de março, aumento de 52% em relação ao mesmo período do ano passado (considerando março fechado) em 2021, que registrou 493 km quadrados.

Na quinta-feira, 7, o governo brasileiro apresentou sua nova Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) ao Acordo de Paris, para redução de emissões de gases que causam o efeito estufa. O acordo é um pacto assinado por quase 200 países em 2015, com o objetivo de limitar o aumento da temperatura global a 1,5ºC até o fim do século.

Na avaliação de Natalie Unterstell e Nathália Martins, da organização Política por Inteiro, a meta brasileira retrocede em relação ao compromisso submetido pelo País em 2016, com aumento em 314 milhões de toneladas de CO2 no nível de emissões permitido em 2025 em relação à meta assumida naquele ano.

As especialistas apontam ainda aumento de em 81 milhões de toneladas de CO2 no nível de emissões permitido em 2030 em relação à meta indicativa apresentada em 2016.

“O governo do Brasil deve resolver em absoluto e definitivo o problema de atualizar sua NDC sem o devido aumento da ambição climática. As sucessivas demonstrações de retrocesso afetam diretamente a credibilidade do País na esfera internacional”, afirmam, em análise sobre o assunto. “Além da correção de rumos, a implementação – ou “entrega” – de resultados de redução de emissões com foco em 2025 deve ser uma prioridade para este e próximos anos.”

Conforme previsto no Acordo de Paris, os governos nacionais concordaram em manter o aquecimento médio global bem abaixo de 2°C e buscar esforços para limitá-lo a 1,5°C até o fim do século. Individualmente, as partes contribuem por meio de Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs, na sigla em inglês) que podem ser revisadas a qualquer tempo, desde que para “aumentar o seu nível de ambição”.

A submissão realizada pelo Brasil em 2022 contém metas vinculantes de redução de emissões para os anos de 2025 e 2030 em relação a estimativas feitas em 2005. Foram fixados porcentuais de redução de 37% (em 2025) e de 50% (em 2030) em relação àquele ano. A ambição seria chegar ao desmatamento ilegal zero em 2028.

Desde 2019, o governo Jair Bolsonaro tem sido alvo de pressão no Brasil e no exterior diante do aumento dos níveis de devastação florestal, sobretudo na Amazônia.

Por UOL

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS