Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Decisão sobre vacinação em crianças será tomada nesta quarta (5)

Ministério da Saúde estima que as primeiras doses do imunizantes para pessoas entre 5 e 11 anos cheguem ao Brasil no dia 10 de janeiro

_________________Publicidade_________________

O Ministério da Saúde define nesta quarta-feira (5) os procedimentos para a realização da imunização de crianças contra a Covid-19. Em dezembro de 2021, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso da vacina da Pfizer em pessoas com idade entre 5 e 11 anos no Brasil.

A decisão foi divulgada pela agência após avaliação técnica do pedido submetido pela farmacêutica no dia 12 de novembro. A dosagem da vacina para esta faixa etária será ajustada e menor (um terço) em relação àquela utilizada em maiores de 12 anos.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse na segunda-feira (3) que as doses infantis da vacina da Pfizer para crianças entre 5 e 11 anos devem começar a chegar ao Brasil a partir do próximo dia 10.

Segundo a pasta, a previsão é de que as doses comecem a ser aplicadas a partir da segunda quinzena de janeiro.

Em entrevista coletiva, Queiroga reiterou que a decisão do Ministério da Saúde sobre a vacinação desse grupo seria divulgada nesta quarta-feira (5), e que não será “muito diferente do que o ministério já colocou em consulta pública”.

O primeiro lote de vacina infantil contra a Covid-19 deve contemplar 1,25 milhão de doses. A informação foi confirmada por fontes da pasta ao analista de política da CNN Caio Junqueira.

Trata-se de 6,25% da população infantil brasileira apta a receber o imunizante, estimada em 20 milhões de crianças entre 5 e 11 anos.

As doses são importadas e o ministério prevê que elas cheguem e sejam distribuídas aos estados semanalmente.

A expectativa é de que a partir do segundo lote o número de doses seja maior, mas a pasta prevê que as 20 milhões de doses só cheguem em sua totalidade ao Brasil até o fim do primeiro trimestre.

Audiência pública

Nesta terça-feira (4), o governo deu início à audiência pública que discute a vacinação infantil contra o coronavírus. Na primeira parte do encontro, o Ministério da Saúde mostrou os dados da consulta pública que durou dez dias. Foram quase 100 mil contribuições e a maioria disse ser contra a prescrição médica para vacinação em crianças.

A secretária de enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite, quem comanda o encontro, disse na audiência que “amanhã [5] materializaremos um documento com as diretrizes a serem adotadas em todo nosso país referentes ao tema.”

A audiência é inédita no país por discutir a liberação de vacinação e recebeu críticas de diversos representantes da área da saúde.

Para o presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), César Eduardo Fernandes, a realização de uma audiência pública para definir sobre a vacinação em menores é “absolutamente desnecessária”.

“A Anvisa é uma agência da maior credibilidade, com isenção. E a Anvisa aprovou, assim como FDA [agência dos EUA]. Vacinas não são experimentais, são seguras e eficazes nas doses indicadas, que são menores que em adultos. Audiência pública seria desnecessária, porque já passou pela agência que regulamenta”, afirmou o médico.

Em entrevista à CNN, o pediatra e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, disse que a audiência pública não deve trazer nada de novo à discussão sobre vacinação infantil.

Ele destacou o ineditismo da posição adotada pelo Ministério da Saúde no sentido de buscar a opinião da população em relação a um assunto técnico.

“Ouvir pais e famílias é sempre interessante para saber o que a população pensa. Mas para isso você precisa encomendar uma pesquisa para garantir representatividade de estados, classes econômicas, faixas etárias”, pontuou.

Estados Unidos e Europa

O uso emergencial da vacina da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos nos Estados Unidos foi autorizado pelo Food and Drug Administration (FDA), órgão semelhante à Anvisa, no dia 29 de outubro de 2021.

A decisão ocorreu após a votação, por unanimidade, dos conselheiros do FDA, pela recomendação da utilização da vacina formulada com um terço da dose utilizada em pessoas maiores de 12 anos.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) também aprovou o uso do imunizante em crianças. A decisão foi divulgada no dia 25 de novembro.

“Os efeitos adversos mais frequentes em crianças dos 5 aos 11 anos são semelhantes aos das pessoas com 12 anos ou mais. Incluem dor no local da injeção, cansaço, dor de cabeça, vermelhidão e inchaço no local da injeção, dores musculares e calafrios. Esses efeitos são geralmente leves ou moderados e melhoram alguns dias após a vacinação”, diz o comunicado da agência europeia.

Com informações de Lucas Rocha, Raphael Coraccini, Ingrid Oliveira, Natália André e Caio Junqueira

Via-CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas