18 de maio de 2022   |   23:45  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

De dentro para fora: como a terapia ajuda no processo de emagrecimento?

Um dos principais objetivos da terapia é criar ferramentas para que a pessoa consiga regular as emoções sem usar recursos externos. Comer pode ser um deles.

_________________Publicidade_________________

Compreender os sentimentos e como eles impactam nossas escolhas é um dos papéis da terapia. Para muitas pessoas, o acompanhamento é visto como algo necessário apenas em momentos difíceis, mas ele pode ser uma ferramenta importante para entender comportamentos da vida, inclusive na alimentação.

Segundo a psicóloga Fabiana Escudeiro, professora da PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná), as sessões podem ser aliadas em processos de reeducação alimentar porque estimulam uma reflexão sobre a relação com a comida e caminhos para mudá-la. “A terapia é uma aliada para qualquer tipo de mudança comportamental. Não tem perfil mais indicado para fazê-la em processos de reeducação, mas sim aquele que entende que a terapia faz parte desse processo e pode ser uma excelente auxiliar em fazer as mudanças acontecerem e se manterem ao longo do tempo”, diz.

Em alguns casos, como na obesidade e em transtornos alimentos (bulimia, anorexia e compulsão alimentar, por exemplo), a terapia é parte obrigatória do tratamento. Esses quadros demandam uma equipe multidisciplinar, geralmente com nutricionistas, psicólogos e demais profissionais conforme as especificidades de cada distúrbio.

“Há evidências de que a sensibilidade à recompensa é fator de risco para ganho de peso e obesidade. Isso apoia a recomendação que os indivíduos que vivem com obesidade devem ser informados sobre fundamentos neurobiológicos do impulso para comer, e apoiados para desenvolver habilidades comportamentais de enfrentamento para gerenciar essas questões”, diz a endocrinologista Sylka Rodovalho, da SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo).

  • Controlar emoções sem recursos externos

Um dos principais objetivos da terapia é criar ferramentas para que a pessoa consiga regular as emoções sem usar recursos externos. Comer pode ser um deles, assim como o acolhimento de terceiros e o consumismo podem assumir esse papel.

terapia, terapeuta, psicólogo, psicóloga, psicologia, análise - iStock - iStock
A TCC (terapia cognitivo-comportamental) é a mais indicada, pois trabalha com metas

“A comida geralmente é um regulador de humor, não é porque a pessoa não tem disciplina, mas porque não suporta passar um dia sem aquele recurso para se sentir bem”, indica a psicóloga Andréa Pato, especialista em psicanálise pela UFBA (Universidade Federal da Bahia).

Na obesidade e sobrepeso, por exemplo, a terapia também é indicada quando a vida do paciente é ditada pela sua autoimagem, quando sua visão sobre si impacta as relações e situações do dia a dia, explica a profissional.

“O quanto estar ou ser obeso tem relação com o que você pensa sobre você? Seu lugar nas relações, posição na família, porque emagrecer não é só questão estética”, descreve Pato, também especialista em obesidade e transtornos alimentares pela USP (Universidade de São Paulo).

Terapia ajuda a fugir de perfeccionismos

Outra ideia também é romper com perfeccionismos comuns em dietas. Isso normalmente faz com a pessoa desista dos novos hábitos ainda na primeira “escapada”, além de causar interpretações muito restritivas sobre comer e ser saudável.

“A reeducação alimentar não é perfeita. E muitas pessoas a interrompem na primeira ‘jacada’. A terapia entra para dar estratégias e a pessoa não cair nessas armadilhas. A mente influencia na escolha alimentar de diversas maneiras, cada paciente tem o seu jeito de ser, e um pode não permitir cometer uma falta”, indica Escudeiro.

Por isso, a terapia também pode ser uma ferramenta para pessoas que desejam adotar hábitos mais saudáveis, no geral, mas não encontram caminho para se organizar e esbarram nos mesmos comportamentos —como não conseguir praticar atividade física, comer melhor ou apenas manter uma rotina mais equilibrada.

dieta restritiva, regime, comida, alimentação - iStock - iStock
A terapia entra para dar estratégias e a pessoa não cair em armadilhas, como restrições exageradas

Segundo Escudeiro, mesmo que a rotina não se sustente para sempre, afinal os períodos de instabilidade ou a necessidade de se investir em outras áreas da vida são comuns, é importante que essa pessoa já conheça os dispositivos para reconhecer padrões de comportamentos e saber como restabelecer boas práticas à saúde.

  • Quais abordagens são mais indicadas?

A TCC (terapia cognitivo-comportamental) é bastante associada aos tratamentos para perder peso. A abordagem atua no desenvolvimento de metas e na interpretação das ações dessa pessoa para entender, por exemplo, quando ela não conseguiu aderir à dieta e o que sentiu naquele momento.

“Cada pessoa tem um jeito diferente de funcionar, tem gente que come porque está feliz, porque não percebe, está entediado. A função da terapia é entender o padrão de funcionamento daquela pessoa, qual é a função da comida e como fazer para mudar isso, se necessário”, diz a psicóloga Fabiana Escudeiro.

Por VivaBem

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS