Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Covid-19: Mais da metade dos israelenses já recebeu as duas doses da vacina

55,96% da população israelense recebeu uma dose da vacina; um terço dos habitantes estão abaixo dos 16 anos, portanto, a imunização se aproxima da totalidade

Israel administrou duas doses da vacina contra a Covid-19 em mais da metade de sua população, disse o ministro da Saúde nesta quinta-feira (25).

A distribuição da vacina Pfizer Inc./BioNTech SA em Israel começou em dezembro, com elegibilidade estendida a cidadãos e residentes com mais de 16 anos, cerca de 69% da população de 9,3 milhões de pessoas. Os vacinados são considerados totalmente protegidos uma semana após receberem a segunda injeção.PUBLICIDADE

Em uma declaração anunciando o marco em meio a queda de novos casos de Covid-19, o ministro da Saúde Yuli Edelstein pediu aos cidadãos “que sigam as diretrizes (de saúde) para que o coronavírus não retorne”.

Ele disse que 50,07% da população geral recebeu ambas as doses da vacina e 55,96% a primeira dose. Israel emite os certificados totalmente vacinados e cerca de 8,7% de sua população que se recuperou do Covis-19 com imunidade presumida, os chamados certificados “Green Pass”, que conferem acesso a vários locais de lazer.

Israel começou a facilitar o bloqueio nacional no final de fevereiro. A maioria das empresas e escolas, bem como aeroportos, retomaram gradualmente a atividade, com limites de capacidade.

O país viu uma queda de 85% nas mortes diárias de Covid-19, uma redução de 72% nos casos de doenças graves e 86% menos casos diários de coronavírus desde o terceiro pico da pandemia, em meados de janeiro, de acordo com Eran Segal, cientista de dados do Israel’s Instituto de Ciência Weizmann.

O diretor-geral do Ministério da Saúde de Israel, Hezi Levi, disse à Reuters que estimou que toda a população elegível para a vacinação estará totalmente inoculada até o final de maio.

Cerca de um terço do país tem menos de 16 anos e não pode ser vacinado até que a vacina seja considerada segura para crianças. Este mês, o Ministério da Saúde disse que os pacientes recuperados com Covid-19 poderiam ser vacinados com uma vacina administrada pelo menos três meses após a recuperação.

Israel considera os palestinos de Jerusalém Oriental como parte de sua população e fornece vacinas a eles. Também ofereceu vacinas aos palestinos que trabalham em Israel e em assentamentos na Cisjordânia.

As autoridades de saúde palestinas lançaram um programa de vacinação limitado na Cisjordânia e na Faixa de Gaza usando doses fornecidas por Israel, Rússia, Emirados Árabes Unidos e a iniciativa global de compartilhamento de vacinas COVAX.

Israel foi criticado internacionalmente por não fazer mais para permitir a vacinação palestina. O relatório afirma que os palestinos são responsáveis por tais medidas de saúde em suas áreas de autogoverno.

Uma pesquisa do Centro Palestino para Políticas e Pesquisas, divulgada na terça-feira (23), descobriu que 55% dos palestinos estão dispostos a tomar a vacina quando ela estiver disponível ou já a receberam, enquanto 43% não estão dispostos a tomá-la.

Em Israel, algumas autoridades estimam em privado que 10% da população elegível não pretende ser vacinada.

Via: CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas