Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Corpo de ex-prefeito de cidade do Acre, morto a tiros, é levado para TO e enterro é neste sábado (22)

Enterro deve ocorrer na tarde deste sábado (22), na cidade de Fátima, onde o pai dele está enterrado.

_________________Publicidade_________________

O corpo do ex-prefeito da cidade de Plácido de Castro, no interior do Acre, Gedeon Souza Barros, de 52 anos, morto com tiros na cabeça, na última quinta-feira (20), foi transladado para a cidade da Palmas (TO) na tarde dessa sexta-feira (21).

A informação foi confirmada por um familiar da esposa da vítima, que preferiu não se identificar. Ele informou que o corpo saiu do aeroporto de Rio Branco por volta das 15h de sexta e foi levado para o estado onde nasceu.

Na manhã deste sábado, o corpo de Barros está sendo levado para a cidade Fátima, onde deve ser sepultado por volta das 17h no mesmo local onde o pai dele está enterrado.

Mulher de ex-prefeito de cidade do AC executado é ouvida e polícia diz que investigação é sigilosa — Foto: Arquivo pessoal

Mulher de ex-prefeito de cidade do AC executado é ouvida e polícia diz que investigação é sigilosa — Foto: Arquivo pessoal

Investigação

A esposa do ex-prefeito de Plácido de Castro, Lucia Barros, prestou depoimento na Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) ainda na quinta (20), horas após o ex-gestor com disparos de arma de fogo.

O delegado Marcos Cabral afirmou que ainda é muito cedo para comentar qualquer coisa a respeito da investigação, que, segundo ele, segue de forma sigilosa. O G1 não conseguiu contato com o delegado que investiga o caso.

O ex-prefeito foi assassinado na manhã de quinta no bairro Santa Inês, no Segundo Distrito de Rio Branco. Dois homens chegaram em uma moto e executaram o ex-gestor, fugindo em seguida para o bairro Belo Jardim, onde se concentraram as buscas da polícia. Barros estava dentro do carro e foi atingido com disparos na cabeça.

Ameaças

A polícia informou também que o ex-prefeito estaria sofrendo ameaças. No entanto, segundo o delegado, ainda não tinha sido confirmado nenhum registro de boletim de ocorrência relatando as supostas ameaças.

“As guarnições que chegaram no local, colheram informações de que dois indivíduos em uma motocicleta vermelha se aproximaram do veículo onde a vítima estava e sem anunciar assalto, esses indivíduos efetuaram por volta de dois disparos”, informou o tenente da Polícia Militar Karllos Antoniete.

Ex-prefeito deixa filho de um ano  — Foto: Arquivo pessoal

Ex-prefeito deixa filho de um ano — Foto: Arquivo pessoalhttps://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

‘Quero estar ao seu lado’

Em uma das últimas postagens nas redes sociais, no dia 5 de maio, o ex-prefeito falou sobre o amor pelo filho de que completava um ano.

“Meu lindo filho, hoje você completa um aninho de vida! Um ano de muito amor, aprendizagem e felicidade sem fim. Cada segundo de descoberta ao seu lado é uma bênção de Deus. E cada momento vivido eu vou guardando no meu coração, pois quero lembrar de tudo mais tarde. O primeiro sorriso, os primeiros passinhos, as primeiras palavras, tudo! Você é o meu tesouro, e o grande amor da minha vida.”

Ele completou dizendo que tudo passou muito rápido. “Foram muitas aventuras e tanto você quanto eu, aprendemos muito nesse ano. Prometo cuidar e amar você todos os dias. Você tem toda sua vida para viver e quero estar ao seu lado em todos os momentos. Amo você, meu filho! Feliz aniversário!”

Gedeon Barros foi morto dentro do carro em Rio Branco — Foto: Eldérico Silva/Rede Amazônica Acre

Gedeon Barros foi morto dentro do carro em Rio Branco — Foto: Eldérico Silva/Rede Amazônica Acre

Governador lamentou morte

Em nota publicada nas redes sociais, o governador do Acre, Gladson Cameli, lamentou a morte do ex-prefeito e lembrou da trajetória dele na política acreana.

“Gedeon Barros, natural de Porto Nacional (TO), foi prefeito de Plácido de Castro de 2017 a 2020. É lembrado pela sua atuação em prol do setor agrícola e luta contra o crime na fronteira em parceria com o governo do Estado. Neste momento de profunda dor, externo minhas condolências aos familiares e amigos enlutados por esta perda irreparável.”

O atual prefeito de Plácido de Castro, Camilo da Silva também emitiu nota de pesar e afirmou que Barros nunca abriu mão da simplicidade e empatia.

“Sempre altivo, Gedeon alcançou admiração e respeito por onde passou. Mesmo em momentos calorosos da vida pública, nunca abriu mão da simplicidade e da empatia em seus gestos. Prestamos solidariedade aos amigos e familiares por esta irreparável perda e rogamos para que Deus possa confortá-los nesse momento de grande dor, em que as palavras se apequenam e o espírito busca amparo na Fé.

Em nota assinada pelo presidente regional Manoel Pedro Gomes, o PSDB, sigla a qual o gestor pertencia, lamentou a morte dele e disse que a morte dele é um duro golpe à política do bem, da moralidade e da ética.

“Gedeon sempre foi um defensor da política do bem comum visando o desenvolvimento, progresso e a melhoria para toda a sociedade, a qual muito orgulhava e honrava o PSDB acreano. Sua morte é um duro golpe à política do bem, da moralidade e da ética. O PSDB se solidariza com todos os familiares, amigos e admiradores do Gedeon. Que Deus conforte todos neste momento de dor.”

Ex-gestor era investigado pela PF

Barros foi prefeito da cidade de Plácido de Castro entre os anos de 2017 a 2020, quando ele concorreu à reeleição, mas foi derrotado nas urnas no ano passado. O ex-prefeito era empresário e foi gestor da cidade apenas por um mandato.

Durante a gestão, Barros teve o nome divulgado em uma lista de nove prefeitos de nove cidades do Acre os gestores têm condenações transitado em julgado nos últimos oito anos. As condenações incluem diversos processos, entre os quais desvios ou problemas na administração do dinheiro público.

Investigações da Polícia Federal na Operação Contágio, também apurou supostas  irregularidades em licitações que teriam ocorrido no primeiro semestre do ano de 2020 no município. Conforme a PF, um dos contratos investigados envolvia mais de R$ 500 mil para a compra de equipamentos de proteção individual (EPI’s) para profissionais da saúde que atuavam no combate à pandemia causada pela Covid-19, na mandato dele.

Via-G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas