3 de julho de 2022   |   07:11  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Conselho Estadual dos Direitos da Mulher cobra plano emergencial a Gladson para conter o feminicídio e apresenta sugestões

Funcionamento da Delegacia da Mulher 24 horas está entre as sugestões apresentadas.

_________________Publicidade_________________

A presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher, Geovana Nascimento Castelo Branco, juntamente com a presidente da Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados Brasil/Acre, Tatiana Martins, concederam coletiva de imprensa nesta terça-feira, 17. Elas apresentaram um conjunto de medidas emergenciais para enfrentamento ao feminicídio no Acre.

O documento, que deve ser entregue ao governador Gladson Cameli, solicita, entre outras coisas, o funcionamento da Delegacia da Mulher em tempo integral, ou seja, 24 horas. Com base em dados do Ministério Público do Acre (MP-AC) fica evidente que a maioria dos crimes ocorre no período da noite ou na madrugada [59%] e de sexta à segunda [54% deles], exatamente quando a DEAM está fechada.

Ainda de acordo com Geovana Castelo Branco, houve um retrocesso na política para as mulheres no Acre. Antes, havia uma secretaria específica para as mulheres, porém esta foi reduzida à diretoria.

“Todo esse retrocesso que aconteceu na política para as mulheres, como se diz: o pau quebrou nas costas das mulheres. As mulheres estão com medo, estão desassistidas. Somo nós que todos os dias temos medo de sair de casa, nossos filhas, sobrinhas e irmãs. O que a gente quer hoje é que o governo olhe para nós mulheres. Nós somos mais da metade do eleitorado. Nós somos mães da outra metade e avó de outro bocado. A gente precisa políticas públicas que relmente façam efeito”, disse a presidente do Conselho.

Já Tatiana Martins, que também é conselheira do Cedim, afirmou que o Acre não tem um plano emergencial voltado para o combate ao feminicídio. “Estamos nos sentindo abandonadas e o feminicídio está aumentando exponencialmente. Não podemos esperar o ano que vem, o plano orçamentário do ano que vem. Precisamos para o meio do ano. Precisamos de recursos para fazer valer ações preventivas. Precisamos de uma delegacia 24 horas da mulher. A promotoria vem pedindo isso desde 2020”, disse Martins.

Taxa de feminicídios no Acre

Em 2018, a taxa de feminicídio era de 3,2 no Acre. Caiu para 2,5 em 2019 e se manteve em 2020. Em 2021, voltou a subir e fechou o ano em 2,9. Enquanto isso, a média nacional nos últimos 4 anos citados se manteve em 1,2.

Notícias da Hora

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS