Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Comunidades de Reabilitação de Dependentes Químicos de Cruzeiro do Sul: Ações que resgatam vidas

Apesar do crescimento da venda e do uso de drogas em Cruzeiro do Sul, muitos dependentes químicos lutam para se livrar do vício.

_________________Publicidade_________________

Apesar do crescimento da venda e do uso de drogas em Cruzeiro do Sul, muitos dependentes químicos lutam para se livrar do vício. O caminho é longo, cheio de idas e vindas, mas existem belos exemplos de luta e recuperação.
“A importância pra mim foi um recomeço, uma nova vida que Deus proporcionou pra mim”, revela Francisco Falcão (Ex-dependente químico)

“A importância pra mim é muito marcante porque aqui é onde encontro paz, a reintegração da sociedade e hoje eu me sinto no meu lar porque antes eu andava pelas ruas”, diz José Mauri (Dependente químico em reabilitação).

Francisco e José encontraram ajuda em uma comunidade terapêutica de Cruzeiro do Sul. O tratamento no local dura nove meses, com atividades em grupo e ao ar livre. A meta deles é chegar à abstinência total.

O tratamento requer muita disciplina. O ex-dependente em recuperação fica na clínica por vontade própria. O presidente da comunidade, pastor Elians Medeiros, conta as etapas do tratamento. “O período de acolhimento é de seis a nove meses e se ele tiver um bom desenvolvimento, retorna para a sua família. O acolhimento é voluntário e ele precisa querer estar aqui”.

Na rede pública também existe uma outra forma de assistência em cidades do Acre. Nos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), a pessoa chega mesmo sem documento e faz um cadastro. Logo em seguida, é encaminhada para uma conversa com um profissional, mesmo estando sob efeito de drogas. O dependente fica internado apenas quando está em crise e por no máximo 14 dias.

Em Cruzeiro do Sul existem vários outros locais de reabilitação de dependentes químicos, inclusive para o público feminino, como é o caso da Fazenda Esperança que trata mulheres em situações de dependência às drogas. “Elas precisam querer serem ajudadas. Elas fazem uma carta e nós respondemos, quando é morador de rua nós aceitamos e ajudamos, declarou a coordenadora Madalena Mota.”

A gratidão em cada pessoa que passa por aqui é expressada com emoção. “Depois que eu passei muitas dificuldades eu resolvi mudar”, relatou uma moça que preferiu não se identificar.

Os internos fazem atividades para a qualificação profissional e o mantimento das comunidades, entre elas, artesanato, agricultura, padaria e até produção industrial. Apesar do trabalho realizado, essas unidades de reabilitação quase não recebem apoio do poder público. “O Centro de Recuperação da Casa Reviver hoje, tem o apoio do município. Temos uma parceria com a prefeitura e um ou dois empresários”, relatou o Pastor Elians.

Nós precisamos de apoio, as vezes temos uma cesta básica, mas precisamos que as pessoas conheçam o trabalho e às vezes seria bom ter alguém que falasse com as meninas, relatou Madalena Mota.

Umas das incentivadoras desse trabalho e exemplo é Dona Beth Cameli, que ajuda no funcionamento da Fazenda da Esperança, a Ala Feminina em Cruzeiro do Sul. “Ela é muito importante aqui dentro, ela escuta as meninas, é muito alegre com as meninas traz uma palavra de conforto”, diz a responsável.

O tratamento contra as drogas é um longo caminho. Às vezes, com recaídas. Entretanto, cada dia sem a droga é uma pequena vitória, uma esperança de se libertar do vício

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas