22 de maio de 2022   |   12:31  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Com um dos combustíveis mais caros do país, reunião discute implantação de gás natural veicular no Acre

_________________Publicidade_________________

Com um dos combustíveis mais caros do país, o processo de implantação do Gás Natural Veicular (GNV) começou a ser discutido no Acre.

No mês passado, a Federação das Indústrias do Estado do Acre se reuniu com sindicatos de taxistas, postos de combustíveis e das indústrias cerâmicas, além de empresa de transporte por aplicativo para iniciar tratativas. Após os primeiros levantamentos, uma audiência pública deve ser marcada.

O presidente da Fieac, José Adriano, falou sobre os benefícios que a implementação do GNV pode gerar ao estado tanto economicamente, dado o melhor custo-benefício desse combustível, como ecologicamente, em razão da redução na emissão de monóxidos de carbono.

“Recentemente, na Assembleia Legislativa foi aprovado a condição de fazermos uma audiência pública para conversar com a sociedade e com todos os setores interessados para a gente encaminhar proposta de viabilidade. Então, nós fizemos essa reunião, porque é importante saber de todos eles o que pensam, como estão vendo essa situação destes aumentos, como estão vendo como alternativa a possibilidade de trazer o GNV para o estado do Acre. Teremos ainda mais dois passos antes de audiência”, informou Adriano.

Fieac e sindicatos se reuniram para iniciar tratativas — Foto: Arquivo

Fieac e sindicatos se reuniram para iniciar tratativas — Foto: Arquivo

Ele explicou que a ideia é primeiro fazer um levantamento dos custos de implantação do sistema tanto para o consumidor final quanto para os postos de combustíveis e conversar com outros estados que já utilizam esse combustível para obter informações com relação a todos os procedimentos necessários.

“Estamos fazendo levantamento para encaminhar o estudo de viabilidade. É um processo que envolve muita gente. Falando de retorno, seria mais uma alternativa para viabilizar os empreendedores, principalmente dos que trabalham com transporte de pessoas, como motoristas de aplicativo, taxistas. Então, não estamos imaginando que de imediato seja algo viável para todo mundo, mas esperamos convencer pelo menos um posto em Rio Branco e um em Cruzeiro do Sul, dentro de um formato seguro, para que tenhamos isso como alternativa para a população”, disse.

Desafio aos revendedores

O Sindicato dos Postos de Combustíveis informou que apoia os debates sobre a implantação do GNV no Acre e que a iniciativa é importante aos consumidores por ser mais uma opção de aquisição de combustíveis. Já para os revendedores seria “um desafio”.

“Sendo aprovado a implantação do GNV por parte das autoridades competentes, será um desafio aos revendedores, pois será necessário fazer adequações nas instalações e investimentos para aquisição de equipamentos para os postos de combustíveis, bem como treinamentos a seus colaboradores para manuseios do GNV”, afirmou o presidente do sindicato, Delano Lina e Silva.

O sindicalista destacou que o GNV é considerado um combustível mais eficiente que a gasolina, o etanol e o diesel, mais econômico e proporciona maior autonomia ao veículo, além de ser menos poluente.

“É importante lembrar que os debates têm que de fato acontecer com todas as empresas dos diversos elos da cadeia do GNV, quer seja, a de produção ou importação, a distribuição, a revenda, os equipamentos de infraestrutura, as convertedoras e as certificadoras, pois somente assim será possível levar o GNV de forma segura e eficiente aos diversos setores da região do estado do Acre, em especial aos consumidores de combustíveis acreanos”, disse Silva.

Benefícios aos taxistas e motoristas de aplicativo

O presidente do Sindicato dos Taxistas, Telnízio Bonfim se disse animado com o início das tratativas sobre a implantação do combustível no estado. Segundo ele, os gastos com combustível chegam até 60% do que os trabalhadores ganham com o transporte de passageiros.

“Se formos ver em outros estados, o gás é bem mais barato, então para nós, taxistas e até motoristas de aplicativos, essa seria uma mão na roda, porque hoje nosso maior entrave é quando se fala em consumo do combustível, que é terrível. Aqui só temos gasolina e álcool e nenhum dos dois é barato, se esse gás conseguir chegar aqui com um preço viável seria excelente para nós e para o consumidor, uma vez que teríamos condições de trabalhar com uma tarifa mais em conta, onde a população pudesse ter mais acesso ao táxi, e o taxista teria um lucro maior”, afirmou.

Para o proprietário de uma empresa de transporte por aplicativo do Acre que tem cerca de 150 motoristas cadastrados, Rafael Henrique, esse seria um avanço importante para o estado, especialmente, para quem trabalha diretamente com o setor. Ele também participa das discussões sobre o tema.

“Já usei esse combustível quando trabalhei em outro estado e é uma economia muito grande. Dependendo do tamanho, uma recarga dá em torno de R$ 40 e poucos reais e o carro chega a roda mais de 200 quilômetros, que com gasolina seria mais de R$ 100 reais, ou seja, mais que dobro. Sabemos que a logística para cá é um complicador, e que, por isso, se der certo trazer o GNV para cá será com um custo maior que outros estados, mas acredito que mesmo assim seria uma boa economia”, disse.

Com informações g1.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS