18 de maio de 2022   |   23:26  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Com servidores em greve, secretaria de Educação do Acre adia início do ano letivo para dia 11 de abril

Aulas da rede pública estadual iriam iniciar na próxima segunda-feira (4), mas foram adiadas por conta da greve de mais de um mês dos professores.

_________________Publicidade_________________

A Secretaria de Educação, Cultura e Esportes do Acre (SEE) anunciou nesta quarta-feira (30) que as aulas da rede pública, previstas para iniciar na próxima segunda (4), foram adiadas para o dia 11 de abril. O motivo é a paralisação dos servidores da pasta por melhorias salariais, concurso público e outras reivindicações.

A categoria iniciou o movimento grevista no dia 16 de fevereiro.

A SEE divulgou um comunicado sobre o adiamento. “[…] em virtude da greve dos professores, que impediu a realização dos encontros de capacitação e de outras atividades de planejamento pedagógico consideradas essenciais, o início do ano letivo 2022 foi reprogramado para o próximo dia 11 de abril”, diz o aviso.

As aulas presenciais foram suspensas no dia 17 de março de 2020, na semana em que o Acre confirmou os três primeiros casos de Covid-19. A partir de então, os alunos tiveram acesso ao conteúdo escolar pela internet por videoaula, pelo rádio com audioaulas, pela televisão e também com o material impresso disponibilizado nas escolas.

Em janeiro desse ano, a SEE divulgou o calendário escolar com início das atividades em abril. A previsão é de voltar com as aulas 100% presenciais nas escolas. Contudo, a assessoria de comunicação da Educação destacou, nesta quarta, que o Comitê Covid fará uma nova reunião antes do início do ano letivo para definir o formato das aulas.

O calendário letivo de 2021 encerrou as aulas no dia 3 de fevereiro. Já as aulas das escolas de ensino médio ou de ensino integral, que têm a carga horária de 5h ou 7h diárias, respectivamente, foram concluídas em 23 de dezembro do ano passado.

Greve no Acre

Entre as principais reivindicações da categoria estão a Reformulação do Plano de Cargos e Carreiras do estado (PCCR) e a realização de concurso público estadual.

No dia 11 de março, o governo anunciou um reajuste de 5,42% para servidores públicos ativos e inativos do estado e também o reajuste do salário equiparado ao piso nacional no valor de 33,24%, além do auxílio alimentação mensal para os servidores ativos da SEE de R$ 420.

Porém, a categoria rejeitou a proposta e seguiu com a greve. No início do mês, o grupo chegou a ocupar a sede da Secretaria Estadual de Educação (SEE), em Rio Branco.

Sem um consenso entre os servidores e o governo, os manifestantes se reuniram na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) no dia 22 de março para pedir apoio dos parlamentares, após o governo entregar uma proposta reestruturação da carreira, mas a categoria não aceitou.

Nesta quarta, novamente, a categoria esteve presente na Aleac para pedir apoio dos deputados. A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, disse que o governo manteve a proposta de reajuste de 5,42% no salário.

“Disseram assim: ‘essa é nossa proposta, se quiserem fiquem com isso e se estão achando ruim procure a Justiça’. O tratamento tem sido esse, a gente vai persistir para ver se avançamos com os deputados. A greve continua, vamos continuar de plantão na Aleac, não dar ouvido à secretária que tem convocado nossa catetoria”, afirmou.

Proposta do governo

Além do benefício geral que vai ser pago a todos os servidores de reajuste de 5,42% no salário, o governo também anunciou o pagamento de benefícios para a educação e saúde estadual, que estão em greve.

Com relação aos profissionais da educação, o governo, que chegou a fazer uma consulta ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e recebeu parecer favorável, vai conceder o reajuste equiparado ao piso nacional no valor de 33,24%. Além do auxílio alimentação mensal para os servidores ativos da SEE de R$ 420.

Servidores estaduais pedem:

  • Reformulação do plano de cargos e carreiras do estado;
  • Concurso público estadual;
  • Prestação de conta da Secretaria Estadual de Educação;
  • Adesão do piso nacional para os professore, que é de R$3.800 para 40 horas;
  • Salário mínimo

Por G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS