Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Com falta de médicos em hospitais, Estado vira alvo de ações para suprir escalas de profissionais no AC

MPF emitiu parecer favorável de forma parcial à ação civil pública ajuizada pelo CRM para que o Estado atenda ao pedido em um ano. Sindmed afirma que deve entrar com ação pedindo concurso público.

_________________Publicidade_________________

Com problema nas escalas e falta de médicos em hospitais do Acre, o Estado virou alvo de uma ação movida pelo Conselho Regional de Medicina (CRM-AC) ajuizada ainda em 2019, que pede a regularização das escalas no Pronto-Socorro e recebeu um parecer favorável do Ministério Público Federal (MPF).

Além disso, o Sindicato dos Médicos (Sindmed-AC) anunciou que vai entrar na justiça para obrigar o estado a fazer concurso público.

Nesta semana, o MPF emitiu parecer favorável de forma parcial à ação civil pública ajuizada pelo CRM, que fez o pedido em forma de liminar, mas o pedido foi negado pela Justiça Federal. Agora, o órgão pediu à Justiça para que o Estado seja obrigado a suprir a escala de plantão dos médicos no PS, no prazo de um ano.

Já o Sindmed, temendo um colapso nos hospitais do estado, devido à falta de profissionais, informou que deve ajuizar um processo contra o governo para cobrar a contratação de profissionais por meio de concurso público efetivo.

O G1 entrou em contato com o governo, mas, não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

Hospital do Juruá também está com falta de médicos, segundo o Sindmed — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

Hospital do Juruá também está com falta de médicos, segundo o Sindmed — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

Pedido do CRM

Quando a ação foi ajuizada em 2019 o CRM informou que inúmeras queixas foram feitas por médicos, profissionais de saúde e usuários do SUS com relação ao número insuficiente de médicos na unidade, principalmente nas escalas médicas com número de profissionais insuficientes para o porte da unidade e em algumas ocasiões com a ausência total de profissionais de determinadas áreas.

Com problemas no setor de ortopedia, cardiologia, urologia, cirurgia torácica, além dos setores de emergência clínica, observação adulto, triagem e cirurgia geral, segundo o relatório do CRM, o MPF entendeu que por se tratar de um hospital de urgência e emergência, o atendimento fica comprometido.

Com o quadro apresentado na ação, o MPF pediu à Justiça Federal que seja aceite de forma parcial o pedido do CRM, que tinha pedido urgência, para que o Estado seja condenado a sanar o deficit na escala de médicos do PS.

Ação do Sindmed

O Sindmed por sua vez afirma que problema se estende a várias outras unidades de saúde no estado e informou que há pedidos constantes por novas contratações, mas o governo sempre alega que os gastos estariam acima do limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Ainda conforme o sindicato, há falta de médicos no Maternidade Bárbara Heliodora (MBH), em Rio Branco, no Hospital Geral de Feijó, Hospital de Xapuri, Hospital Regional do Juruá, e Maternidade de Cruzeiro do Sul, entre outras unidades de saúde.

Com essa falta, os profissionais acabam cobrindo os buracos com plantões extra, aumentando a hora trabalhada que chegam a realizar 36 horas seguidas. Caso os trabalhadores deixem de fazer os extras, o atendimento seria interrompido, e a população ficaria sem o serviço.

Sem a realização de concurso, o sindicato afirma ainda que muitos profissionais deixam o estado, em busca de grandes centros e de melhores condições de trabalho e salários.

via-Contilnet

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas