Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Com 30 focos de queimadas em um mês, bombeiro lança plano operacional de contenção no Juruá

Dados do Monitoramento Hidro meteorológico mostram que de janeiro a maio foram 45 focos e 30 somente no mês passado.

_________________Publicidade_________________

O último levantamento do Monitoramento Hidro meteorológico da Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Acre (Sema) mostra que maio fechou com o registro de 30 focos de queimadas. Isso mostra o aumento das queimadas, já que desde janeiro até maio foram 45 focos de queimadas em todo o estado, sendo que 67% desse valor foi todo em um mês.

Em maio, o Acre passa pela transição do chamado inverno amazônico (período de muita chuva e cheias) para o verão amazônico (período de estiagem e seca). Com isso, o número de queimadas aumenta consideravelmente em todo o estado.

Os municípios de Cruzeiro do Sul e Feijó foram os que apresentaram o maior número de focos acumulados no período, segundo o relatório. A Reserva Extrativista do Alto Juruá registrou ainda quatro focos de queimadas.

O risco de fogo – de quanto mais dias seguidos sem chuva, maior risco de queima da vegetação – é previsto em pontos isolados nas regionais de Baixo Acre, Alto Acre e Purus.

Diante desses dados, o governo lançou, na última terça-feira (1º), o Plano Operacional de Combate às Queimadas 2021 – Operação Fogo Controlado/CBM.

O objetivo é reunir esforços para tentar combater e conter o avanço das queimadas no estado.


O comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Acre, coronel Carlos Batista, diz que esse é um momento em que é necessário avaliar estratégias para que as queimadas não ocorram em grande proporção no estado.

“O lançamento envolve várias instituições do governo com o objetivo de fazer uma força-tarefa para trabalhos de prevenção, resposta, educação ambiental e fiscalização. Sabemos que essa problemática assola toda a Amazônia Legal, as queimadas ocorrem em números altos e a gente precisa fazer esse enfrentamento”, destaca.

O comandante destaca ainda que este ano, assim como em 2020, as queimadas podem agravar ainda mais a saúde pública, uma vez que é o período em que as doenças respiratórias se tornam mais frequentes e podem causar lotação e agravamento de casos durante a pandemia de Covid-19.

“Nós sabemos que enfrentamos uma situação atípica no Brasil, no mundo, que é o problema da pandemia, que afeta as vias respiratórias e nós estamos com problemas das queimadas, que também afetam as vias respiratórias. Então, é preciso cuidado. Além de tudo, são ocorrências que demandam muito tempo para enfrentamento, precisa de muito esforço físico, de muitos materiais e várias ocorrências ao mesmo tempo que dificultam a gente controlar todas elas. Sem contar que queimar é crime”, alerta.

O secretário de meio Ambiente do Acre, Israel Milani, diz que a intenção é antecipar ações de combate ao fogo, porque agora o estado entra em um período de atenção.

“Estamos chegando no ‘verão amazônico’ e estamos com grandes dificuldades, porque vai aumentar o estresse da vegetação, vai ficar um pouco mais seco e o estado do Acre, com a parceria Sema, Corpo de Bombeiros e demais órgãos fiscalizadores, estamos antecipando essa ação do Prevfogo para fazer combate ao ilícito. É um planejamento para que na hora que venha ocorrer a maior demanda o estado esteja pronto”, diz.
Ela informou ainda que foi inaugurado esta semana também o Centro Integrado de Meio Ambiente no Alto Acre.

Dados de abril

Mesmo tendo o menor percentual de desmatamento dentro da Amazônia Legal, o Acre apresentou, no mês de abril, um aumento de 67% de área desmatada em comparação com o mesmo período no ano passado.
Dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) obtidos via Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD) mostram que no mês passado o estado desmatou uma área de 10 km². Enquanto que no mesmo mês no ano passado, essa área era de 6 km².

Já na comparação entre o período de agosto de 2019 a abril de 2020 e agosto de 2020 a abril de 2021, o aumento de área desmatada foi ainda maior, de 91%.

Redação Juruá Online

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas