3 de julho de 2022   |   16:08  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Casos de internações por síndrome gripal têm redução; saúde do município se prepara para vacinação

Na primeira quinzena de junho, foi observado uma diminuição da procura, principalmente no hospital do Juruá.

_________________Publicidade_________________

Redação Juruá Online

Em Cruzeiro do Sul, o surto de gripe influenza ainda persiste. Embora a fase mais difícil tenha passado, sendo essa entre os meses de dezembro e fevereiro, onde mais de 250 pessoas passavam por dia na UPA.

Em Cruzeiro do Sul, até a última quarta-feira (15), o número de crianças internadas no hospital do Juruá estava em oito, sendo quatro delas por síndrome respiratória gripal.

“A situação em Cruzeiro do Sul, em comparação a Rio branco, tem sido melhor. Nos meses de fevereiro, março e abril, a gente evidenciou, e até fez a comunicação através da vigilância epidemiologia à equipe da SESACRE, sobre a grande quantidade de casos respiratórios, principalmente em crianças sendo internadas no hospital, alguns desses casos, graves”, explicou Rodinei Brito, médico.

De acordo com o médico, na primeira quinzena de junho, foi observado uma diminuição da procura, principalmente no hospital do Juruá, que é o hospital de referência. Nas duas últimas semanas os casos de síndrome gripal vêm diminuído significativamente.

“Ao todo, o hospital do Juruá conta com 15 leitos pediátricos, desses, oito estão ocupados e desses, quatro são síndrome respiratória (…). A gente tem uma equipe eficiente, um hospital eficiente, e a gente pode fazer remanejo de leito, caso seja preciso”, pontuou o médico.

A Secretaria de Saúde do município, diante dos casos evidenciados, informou que a partir de segunda-feira irá reunir-se com unidades de apoio, e montar três linhas de frente para que se possa fazer a vacinação nas residências.

“Na vacinação infantil, nós percebemos uma ampliação muito baixa dessa cobertura vacinal. Nós estamos somente com 14,9%, uma porcentagem muito pequena realmente de amplitude. Mediante a isso, sentamos com a Clarentiano, e também a Ufac, pedindo um reforço, para que possamos começar um trabalho de buscas ativas nos bairros”, pontuou Valéria Lima, secretária de saúde.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS

AS ÚLTIMAS

top 10 mais lidas