29 de junho de 2022   |   08:32  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Cacique relata confrontos de índios com OVNI’s no Acre

Em episódios mais marcantes, os indígenas chegaram a montar emboscadas e tentar com tiros e flechas acertar os objetos, o que foi em vão devido a rapidez das “naves”.

_________________Publicidade_________________

No CipódCast, o cacique Ninawa Inu Huni Kui disse ter procurado, em Brasília, a Polícia Federal e o Exército Brasileiro através do Ministério Público Federal para investigar o aparecimento e ação frequente de OVNIs em comunidades indígenas no Acre na altura do Alto Rio Envira, especificamente na aldeias Ashaninka Nova Floresta e Coco Açu.

Segundo relatos, ao entardecer, objetos surgiam da floresta e pelo ar rumavam em direção a comunidade indígena. Os objetos são descritos como do tamanho de motocicletas, e achatados. São rápidos e com luzes.

Em episódios mais marcantes, os indígenas chegaram a montar emboscadas e tentar com tiros e flechas acertar os objetos, o que foi em vão devido a rapidez das “naves”.

O caso mais grave sucedeu quando um indígena flagrou a companheira tendo contato com uma luz que vinha de uma nave. O homem, então no desespero, tentou atirar no objeto, mas recebeu uma descarga elétrica no momento em que apertava o gatilho da espingarda e desmaiou.

Por ser liderança indígena, e conhecido internacionalmente, Ninawa procurou o Ministério Público Federal em Brasília, que consultou a Polícia Federal, a Segurança Nacional e o Exército Brasileiro, que negaram ter feito operações na região.

Nas aldeias, após meses de experiências inexplicáveis, os indígenas passaram a conviver rotineiramente com os objetos, até que certo dia, eles deixaram de aparecer.

O Cacique Ninawa, que discursa frequentemente a convite da ONU em diversos países e universidades, não acredita os objetos tenham origem extraterrestre, embora admita a existência do Curupira e do Caboquinho da Mata – figuras mitológicas da Amazônia, cujas histórias são passadas de geração em geração nos povos da floresta.

“Outro mistério da floresta é o Batedor. Ele bate na numa árvore, e se você gritar ‘bate de novo’, ele bate mais perto, e aí você grita ‘bate de novo’, e ele bate mais perto, e se você gritar ‘bate de novo’, ele bate em você”, disse o cacique

Ac24horas

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS