Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Caça F-35 cai no mar durante voo de porta-aviões da Marinha Real Britânica

_________________Publicidade_________________

Um caça F-35 britânico, um dos mais novos caças stealth das Forças Armadas do Reino Unido, caiu no Mar Mediterrâneo na manhã desta quarta-feira (17) durante a operação feita a partir do porta-aviões HMS Queen Elizabeth, disse o Ministério da Defesa do Reino Unido.

O piloto foi ejetado e retornou em segurança ao navio – uma investigação do incidente, que ocorreu durante as operações de voo de rotina, foi iniciada, disse o ministério.

A Grã-Bretanha opera o F-35B, caça considerado uma variação de pouso vertical monomotor e decolagem curta do jato stealth desenvolvido nos Estados Unidos, cuja construção custou cerca de US$ 115 milhões.

Em junho, os F-35s passaram a operar do Queen Elizabeth e voaram em missões de combate no Oriente Médio contra o Estado Islâmico (ISIS), a primeira ação de combate para um porta-aviões do Reino Unido em mais de uma década.

“A capacidade de operar do mar com os caças mais avançados já criados é um momento significativo em nossa história, oferecendo garantias aos nossos aliados e demonstrando o formidável poder aéreo do Reino Unido aos nossos adversários”, disse o secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, em um comunicado.

Os F-35 britânicos enfrentaram seu primeiro combate em 2019, lançando ataques contra o ISIS no Iraque e na Síria a partir de uma base da Força Aérea Real na ilha de Chipre.

Com planos de adquirir 138 F-35s, a Grã-Bretanha seria a terceira maior operadora dos jatos produzidos pela Lockheed-Martin, atrás dos Estados Unidos e do Japão.

Tanto os EUA quanto o Japão perderam F-35s em acidentes. Em setembro de 2018, um US Marine Corps F-35B caiu na Carolina do Sul, a primeira queda de um caça deste tipo.

Em abril de 2019, um F-35A japonês caiu no Oceano Pacífico ao norte do Japão, matando seu piloto.

Mais tarde, o Ministério da Defesa japonês atribuiu o acidente à desorientação espacial, o que significa que o piloto não conseguiu sentir o ambiente de forma adequada e essencialmente voou o caça stealth direto para o oceano durante a missão de treinamento noturno.

Em maio de 2020, um F-35A da Força Aérea dos EUA caiu na Flórida durante um treinamento de rotina, mas o piloto foi ejetado com segurança.

Após a queda desta quarta-feira, o fabricante do assento ejetor do F-35, a empresa britânica Martin-Baker, elogiou seu hardware.

“Já salvamos 7.662 vidas de tripulantes de todo o mundo”, disse a empresa em sua página no Twitter. Os assentos ejetáveis ​​de Martin-Baker são usados ​​em uma variedade de aeronaves, não apenas em F-35s.

Caça F-35B dos EUA sobrevoa o porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth
Caça F-35B dos EUA sobrevoa o porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth durante exercícios em 2018 / Foto: Dane Wiedmann/Navy Office of Information/U.S. Navy

O acidente britânico acontece na última etapa de uma viagem do porta-aviões, liderando o que o Reino Unido chama de Carrier Strike Group 21.

Quando o grupo de ataque partiu do Reino Unido na primavera, o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha o descreveu como a maior concentração de poder marítimo e aéreo a deixar a costa britânica em uma geração.

Navios de guerra americanos e holandeses fazem parte do grupo de ataque, e 10 F-35s do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA operam ao largo do Queen Elizabeth junto com oito jatos stealth britânicos.

Quando uma versão desse grupo de ataque de porta-aviões navegou junto durante exercícios militares na costa da Escócia no outono passado, o Ministério da Defesa do Reino Unido disse que transportava “a maior concentração de aviões de combate para operar no mar de um porta-aviões da Marinha Real desde o HMS Hermes em 1983”.

A Defesa do Reino Unido também disse que era “o maior grupo aéreo de caças de quinta geração no mar em qualquer lugar do mundo”. Os caças de quinta geração são aviões de guerra mais avançados.

Não houve declarações sobre se o Reino Unido tentaria recuperar os destroços do F-35 que caiu no Mediterrâneo.

Quando o F-35 japonês caiu em 2019, especulou-se que os destroços poderiam ser um alvo para adversários em potencial, como Rússia e China, que poderiam ter acesso à sua tecnologia avançada dessas aeronaves. Mas tanto os EUA quanto o Japão rejeitaram essa ideia.

Via – CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas