2 de julho de 2022   |   13:17  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Brasil não assina declaração de apoio ao governo da Ucrânia

Mais de 50 países assinaram a uma declaração de solidariedade com a Ucrânia

_________________Publicidade_________________

O governo brasileiro não aderiu a uma declaração de solidariedade com a Ucrânia, anunciada neste domingo durante a abertura da conferência ministerial da OMC (Organização Mundial do Comércio). A entidade tentará chegar a um acordo sobre segurança alimentar e garantia de abastecimento para países mais pobres do mundo, hoje enfrentando fome e crise humanitária.

A declaração foi feita por mais de 50 países, entre eles os membros da UE, Canadá, Japão e EUA. Na América Latina, assinaram o documento Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, México, Paraguai, Peru e Uruguai.

O Brasil, nos primeiros dias da guerra, votou e aderiu a projetos que condenavam a Rússia em organismos internacionais. Mas, conforme a crise se aprofundava, a opção do Itamaraty foi por manter o diálogo e adotar uma postura de abstenção em votos contra Moscou.

De acordo com o embaixador brasileiro e negociador, Sarquis José Sarquis, o governo opta por “não politizar” instituições especializadas e, por isso, não aderiu à declaração.

“Essa é nossa posição ao G20, em relação às entidades especializadas como a OMC”, disse. Segundo ele, tais entidades podem discutir os efeitos de crise. “Mas sem trazer politicamente as causas dessas crises. E nem ser responsável por tratar de temas que devem ser tratados no Conselho de Segurança ou Assembleia Geral da ONU”, explicou.

“Temos de respeitar o ordenamento dos organismos internacionais, caso contrários criamos distorções e criamos precedentes”, completou o embaixador.

Governos abandonam sala quando russos tomam palavra

Durante a reunião de abertura da conferência da OMC, delegados de mais de 30 países deixaram a sala quando o governo russo tomou a palavra, em protesto. O Brasil optou por ficar. Em sua intervenção, Moscou criticou as sanções e alertou aos demais países que não deveriam se engajar com países que aplicam embargos, já que um dia o alvo poderia ser eles.

No documento deste fim de semana, os ministros dos mais de 50 países “reiteram o total apoio e solidariedade para com o povo da Ucrânia”.

“Expressamos nossa profunda tristeza pelas perdas humanas devastadoras e pelo profundo sofrimento causado pela agressão contra a Ucrânia”, dizem. Segundo eles, a guerra também está tendo um “impacto devastador, inclusive na economia da Ucrânia e na capacidade de comércio”.

Para o grupo, a destruição de uma parte significativa da infraestrutura de transporte da Ucrânia, incluindo estradas, pontes, portos e ferrovias, está “impedindo substancialmente a capacidade da Ucrânia de produzir, exportar e importar”.

O grupo, porém, foi além e alertou para o impacto da guerra. “Estamos seriamente preocupados com as consequências desta destruição para a Ucrânia e para o comércio global, em particular no que diz respeito ao fornecimento aos mercados internacionais de uma série de commodities-chave produzidas pela Ucrânia, incluindo produtos agrícolas e alimentícios, fertilizantes, óleo de girassol e minerais críticos”, afirmou.

Os países ainda apontaram para os “inúmeros relatos de saques de grãos provenientes da Ucrânia”. “Estas ações estão em desacordo com os princípios e valores da OMC”, disse.

Os ministros destacam ainda a importância de manter mercados abertos e previsíveis, e a capacidade da Ucrânia de negociar.

“Diante disso, condenamos firmemente quaisquer ações que visem os meios de fornecimento, produção e transporte necessários para a Ucrânia produzir e exportar para o mundo, incluindo produtos agroalimentares”, disse. Para eles, existe a necessidade de “assegurar que as rotas comerciais, especialmente as rotas marítimas e portos, não sejam bloqueadas pela ameaça do uso da força”.

A declaração ainda aponta que a crise alimentar vai além dos países envolvidos na guerra. “A Ucrânia é um dos maiores exportadores mundiais de produtos agrícolas chave como trigo, milho, cevada e óleo de girassol. É um dos principais fornecedores do Programa Mundial de Alimentos. O impacto da guerra, inclusive do bloqueio do acesso da Ucrânia ao Mar Negro, está comprometendo seriamente o fornecimento de alimentos a algumas das partes mais vulneráveis do mundo, nos países em desenvolvimento. Isto corre o risco de empurrar milhões de pessoas para a insegurança alimentar, somando-se à já grave situação causada pela COVID-19”, disse.

O bloco, em sua declaração promete apoiar a Ucrânia e facilitar suas exportações. “Incentivamos os membros da OMC a fazer o mesmo de forma proporcional à sua capacidade, inclusive facilitando o uso da infraestrutura ou facilitando e simplificando os procedimentos aduaneiros”, pediram.

Eles ainda indicam que irão ajudar os agricultores ucranianos a continuar plantando e cultivando cereais e oleaginosas, além de fornecer ajuda humanitária.

Por UOL.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS