Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Bombeiro da reserva do AC volta para casa após mais de 20 dias internado com Covid-19, dengue e pneumonia

_________________Publicidade_________________

José Moreira Maia, de 55 anos, não precisou ficar na UTI, mas fez VNI durante a internação no Into-AC, em Rio Branco.

O bombeiro militar da reserva José Maria Moreira Maia, de 55 anos, ainda não sabe descrever o que sentiu ao deixar o Instituto de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC) após mais de 20 dias internado com Covid-19, dengue e pneumonia bacteriana. Maia saiu do hospital no domingo (25).

Ele foi internado no dia 2 de julho com 58% do pulmão comprometido. Mas, o teste positivo para Covid e dengue saiu no dia 26 de junho e ele ficou em casa tomando a medicação e fazendo o tratamento.

Conforme o tratamento seguia, o bombeiro ia piorando, com muita fraqueza, falta de apetite, falta de ar, dor nas costas, febre e até insônia. Maia relembrou que já deu entrada no Into-AC com 40% do pulmão comprometido e foi fazer ventilação não-invasiva (VNI).

“Quando foi no dia 2 de julho minha família me levou para o Into com mais de 40% do pulmão comprometido. Fiquei 11 dias nesse tratamento, não fui para a UTI, mas fiquei fazendo VNI, que é um procedimento de ventilação que você faz no leito não ser intubado”, disse.

Bombeiro não tomou vacina

A mulher de Maia também pegou Covid-19 na mesma época que ele, mas não teve sintomas graves e ficou em casa. O bombeiro contou que perdeu, há cerca de três meses, uma tia de 66 anos em Cruzeiro do Sul, no interior, para doença.

O casal ainda não tomou a vacina contra a Covid-19. O bombeiro falou que esperava chegar as doses da Janssen no Acre para tomar uma dose única, porém, o primeiro lote recebido pela Saúde do estado chegou no dia 24 de junho, dois dias antes dele testar positivo para o novo coronavírus.

“Minha categoria já tomou, só que fiz a opção de escolha de marca, agora não posso porque tenho que esperar um período. Queria tomar a Janssen que é dose única e não tinha que voltar para tomar a segunda dose. Acabou que não deu certo, mas assim que puder vou tomar a vacina”, lamentou.

Primeira alta

No dia 13 de julho, Maia recebeu alta médica após o quadro de saúde melhorar e pôde ir para casa. Porém, dois dias depois, ele teve que voltar porque teve uma piora. Na época, ele foi diagnosticado com pneumonia bacteriana e iniciou um tratamento mais forte.

“Voltei para um tratamento mais potente, pneumonia bacteriana e ainda veio uma dengue para ‘ajudar’. Essa dengue favoreceu no tratamento porque baixou minhas plaquetas e não corri o risco de trombose”, disse.

Nesse domingo, Maia saiu do hospital e foi de vez para casa. Ao chegar na saída, ele disse que sentiu um misto de sentimentos de alívio, gratidão, alegria e felicidade. Ele destacou ainda o tratamento e toda atenção que recebeu no Into-AC durante a internação.

“É uma equipe multidisciplinar. Dos psicólogos, médicos, enfermeiros e todos de ajudar para que você não fique ansioso, que seu quadro não se agrave. Quando chega a hora de sair, você fica ansioso, mas também tem uma tranquilidade de uma forma que a alegria se expande. É muito gratificante”, concluiu.

Por G1 AC

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas