Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Bombeira, mãe de 4 filhos e coronel: conheça 1ª militar do DF a ocupar posto mais alto da corporação

_________________Publicidade_________________

Helen Ramalho, de 46 anos, é militar há 28 anos; solenidade de promoção ocorreu na última quarta-feira (5). No Dia das Mães, ela contou ao G1 como maternidade e carreira se complementam.

Coronel do Corpo de Bombeiros, a militar Helen Ramalho, de 46 anos, acumula experiências de uma jornada dupla. Mãe de quatro filhos, sendo dois gêmeos, ela é a primeira mulher a ocupar o posto mais alto da corporação no Distrito Federal. A cerimônia que selou a conquista ocorreu na última quarta-feira (5), na Residência Oficial de Águas Claras.

A nova patente foi concedida por antiguidade e merecimento. A promoção também considera critérios como tempo de serviço, resultados apresentados e comprometimento com a instituição.

“A presença da mulher nesse posto [de coronel] é uma espécie de desbravamento, junto com mudanças que vieram para ficar. O Corpo de Bombeiros está no processo de amadurecimento, de evolução. E, nós, mulheres, estamos conseguindo galgar esses espaços.”

Em ocasião do Dia das Mães, celebrado neste domingo (9), a coronel conversou com a reportagem sobre os desafios e conquistas da carreira que, nas palavras dela, “se complementam” com a maternidade.

“É tudo junto e misturado. Não dá para desassociar, mas, lidar com carreira e maternidade exige um equilíbrio que a gente precisa buscar a todo momento.”

Coronel Helen Ramalho, de 46 anos, no Desfile de 7 de Setembro — Foto: CBMDF/Divulgação

Coronel Helen Ramalho, de 46 anos, no Desfile de 7 de Setembro — Foto: CBMDF/Divulgação

Pioneirismo

Pioneira desde a juventude, a coronel Helen também fez parte da primeira turma dos bombeiros em Brasília que admitiu mulheres na corporação, em 1993, aos 18 anos. Também aprovada em um concurso da Câmara Legislativa (CLDF), ela optou pela carreira militar, decisão que, segundo contou ao G1, “nunca a fez olhar para trás”, mas exigiu esforços.

“Pelo fato de ser pioneira, tive que provar muita coisa. Não apenas eu, pois esta é uma conquista de todas as bombeiras, que vêm fazendo um trabalho muito grandioso e de reconhecimento.”

Coronel Helen Ramalho (à direita da foto) ao lado das outras duas colegas de corporação, na 1ª turma do Corpo de Bombeiros que admitiu mulheres militares — Foto: Arquivo pessoal

Coronel Helen Ramalho (à direita da foto) ao lado das outras duas colegas de corporação, na 1ª turma do Corpo de Bombeiros que admitiu mulheres militares — Foto: Arquivo pessoal

No posto mais alto do Corpo de Bombeiros, hoje, a coronel Helen é responsável pela supervisão da central de operações integradas do Distrito Federal. A militar acompanha ocorrências das forças de segurança da capital e faz a articulação entre os órgãos.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Antes disso, ela esteve no comando de seis quartéis dos bombeiros, incluindo o atendimento nas regiões do Aeroporto Internacional de Brasília e do Park Way, época em que liderou 800 militares – entre homens e mulheres.

Ao longo da carreira, a coronel também pesquisou meios de combate a incêndio urbano com espuma, em estudo pioneiro no país, em 2007. Formada em Engenharia de Segurança contra Incêndio e Pânico, a militar se especializou em perícia de incêndio de explosão e em combate a incêndios e salvamento em aeroportos, para atuar no socorro às vítimas em caso de quedas de avião.

Militar, coronel e mãe

Em casa, a dedicação é a mesma com a família e os quatro filhos. Mãe pela primeira vez aos 33 anos, a bombeira afirma que as crianças vieram para somar e que, desde então, tem recebido o apoio da corporação.

“Sempre quis ser mãe. Quando vieram os filhos, me senti muito realizada. Conciliar carreira com maternidade é um desafio e, como militar, tive o amparo e cuidados [necessários] para desenvolver a missão [militar] e conciliar as duas coisas.”

Coronel Helen Ramalho, de 46 anos, em ação de combate a incêndio — Foto: Arquivo pessoal

Coronel Helen Ramalho, de 46 anos, em ação de combate a incêndio — Foto: Arquivo pessoal

À reportagem, a coronel Helen também contou que, com os quatro filhos, uma menina de 12 anos, os gêmeos de 11 e o caçula de 9 anos, vê a necessidade de trazer a organização e ordem para dentro de casa, “assim como acontece no quartel”.

“Meus filhos têm horários e atividades a cumprir. Eu também levo para o quartel o que vivo em casa: o olhar de cuidado, proteção e amor”, conta. “Tento levar a atenção e o cuidado que uma chefe precisa ter”.

“Quero que minha tropa se sinta amparada e cuidada como meus filhos se sentem. Não sei dizer onde começa uma e termina outra [mãe e militar]. Meu objetivo é que todos estejam bem.”

Rotina no quartel

Para a coronel, além da capacidade de liderança, outras característica femininas e habilidades aperfeiçoadas desde a maternidade ajudam a lidar com as funções exigidas pela carreira militar.

Ela destaca a sensibilidade da mulher de “olhar o todo e de trazer um ambiente mais ameno”. Como exemplo, a coronel lembra de uma ocorrência em que uma sargento ajudou no socorro a vítimas de um acidente de trânsito. À época, havia crianças no veículo, e os pais ficaram machucados. Já os menino, estavam conscientes no momento do socorro e não se feriram.

“Essa bombeira teve o olhar de amparar as duas crianças que, apesar de sem ferimentos, viram os pais machucados. Esse tipo de atitude faz a diferença, o olhar de cuidado”, explica.

Coronel Helen Ramalho posa com outros militares do Corpo de Bombeiros — Foto: Helen Ramalho/Arquivo pessoal

Coronel Helen Ramalho posa com outros militares do Corpo de Bombeiros — Foto: Helen Ramalho/Arquivo pessoal

Na rotina, a coronel conta que também já atendeu diversas ocorrências de rua. Entre as mais marcantes, uma em que ajudou no socorro a um homem preso às ferragens de um acidente. Para isso, foi preciso percorrer uma ribanceira, de 30 metros de altura, carregando os equipamentos de resgate.

“Sempre fiz questão de participar das ocorrências, do serviço pesado. No meio da ocorrência a gente precisa se apoiar”, disse. “Ao juntarmos as características de homens e de mulheres, conseguimos prestar atendimento de muita qualidade à população.”

“É importante dizer que, nós [mulheres], não queremos tomar o espaço de ninguém, mas ocupar espaço pelo nosso próprio mérito. Exercemos as mesmas funções e atividades que os homens. Para mim, isso é motivo de muito orgulho.”

Por: G1 DF

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas