14 de agosto de 2022   |   22:30  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Biden promete ajuda militar para Taiwan em caso de invasão chinesa

Presidente dos Estados Unidos está visitando países da Ásia e criticou o governo russo e o chinês.

_________________Publicidade_________________

O presidente dos Estados UnidosJoe Biden, comprometeu-se, nesta segunda-feira, 23, com a defesa militar de Taiwan se a China tentar tomar pela força o controle da ilha autônoma, ao mesmo tempo que advertiu que Pequim “flerta com o perigo”. As declarações foram feitas durante a visita oficial do norte-americano aos países asiáticos. No final de semana, ele esteve na Coreia do Sul e agora está no Japão. A invasão da Rússia à Ucrânia despertou rumores sobre uma possível tomada de Taiwan pela China.

Em uma entrevista coletiva, Biden e Fumio Kishida, primeiro-ministro japonês, adotaram um tom firme a respeito da China e defenderam a “visão comum de (uma região) Indo-Pacífico livre e aberta”. Também concordaram na necessidade de vigiar a atividade naval chinesa em uma região na qual Pequim tem grandes ambições. O governo americano considera Japão e Coreia do Sul eixos da ofensiva dos Estados Unidos contra a crescente força comercial e militar da China, assim como parceiros na aliança ocidental para isolar a Rússia após a invasão da Ucrânia.

Taiwan

O apoio militar oferecido pelos EUA podem envolver até o uso de armas. “É o compromisso que assumimos”, respondeu Biden quando questionado se Washington atuaria militarmente contra Pequim em uma possível invasão a Taiwan. “Concordamos com a política de uma só China, aderimos a ela (…) mas a ideia de que Taiwan pode ser tomada à força não é apropriada, deslocaria toda a região e seria outra ação semelhante a da Ucrânia”, disse Biden.

Taiwan é considerado pela China como uma província rebelde que deve ser reintegrada ao país, inclusive pela força. Ultimamente está havendo uma crescente de manobras chinesas, com exercícios navais e obras de construção na região. Os chineses se manifestar por causa do comentário de Biden e declararam que “a questão de Taiwan é um tema puramente interno da China”. “Ninguém deveria subestimar a firme determinação, a firme vontade e capacidade do povo chinês de defender a soberania nacional e a integridade territorial”, disse o porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Wang Wenbin.

Não foi só a China que recebeu críticas do presidente norte-americano.  Biden também atacou o governo russo, que falou sobre a necessidade do país “pagar um preço a longo prazo por sua barbárie na Ucrânia”, em referência às sanções impostas por Washington e seus aliados. “Não se trata apenas da Ucrânia”, declarou Biden. “Se as sanções não forem mantidas em muitos aspectos, que sinal enviaríamos à China sobre o custo de uma tentativa de tomar Taiwan pela força?”, perguntou.

Por Jovem Pan

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS