14 de agosto de 2022   |   11:17  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Bebê de 11 meses precisa de tratamento fora do estado e família faz campanha para pagar tratamento

Diogo sofre de uma doença rara. O problema se agravou nos últimos dias, quando ele contraiu uma infecção e o tamanho do tumor aumentou.

_________________Publicidade_________________

Uma família inteira de Cruzeiro do Sul veio morar em Rio Branco desde que o caçula Diogo veio ao mundo. O bebê, que hoje tem apenas 11 meses, nasceu com um tumor na região da garganta, doença rara que precisa de tratamento fora do Acre. A equipe do Hospital do Câncer já está providenciando a transferência dele para São Paulo, onde o caso será avaliado por especialistas.

O problema se agravou nos últimos dias, quando Diogo contraiu uma infecção e o tamanho do tumor aumentou. “Estive internada com ele esses últimos dias, porque como o tumor é na região da garganta e dificulta a respiração dele. Nós todos estamos fazendo o possível para que ele se cure e toda ajuda é bem-vinda nesse momento”, disse a mãe de Diogo, Marlivia Silva Correia.

Diogo é o quinto filho da família, que precisou alugar uma casa em Rio Branco para poder acompanhar o tratamento dele. “Meu marido está desempregado, mas consegue uns bicos pra ajudar. Quem paga o aluguel é meu cunhado. Graças a Deus as pessoas ajudam, mas com esse tratamento sendo realizado fora, segundo a médica que acompanha ele, precisamos levantar um valor alto pra poder pagar pelo tratamento”, disse Marlivia.

Foto reprodução

De acordo com as informações repassadas à mãe de Diogo, apenas uma médica atende esse tipo de caso no Brasil. “E é particular a consulta. Não sabemos ainda valores, mas já estamos fazendo a campanha pra conseguir esse tratamento pro nosso bebê. Em nome de Jesus ele vai ser curado”, disse.

A família estima que precise arrecadar aproximadamente R$ 50 mil para poder realizar a cirurgia delicada. Segundo a mãe, os médico informaram que por ele ter veias muito finas, a cirurgia é feita com aparelhos que têm alcance microscópico”, finalizou Marlívia.

Via ContilNet

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS