Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Barreira sanitária será montada na BR 364, Rio Liberdade, visando impedir disseminação de praga do cacaueiro

_________________Publicidade_________________

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa, declarou nesta sexta feira, 27, estado de emergência fitossanitária de um ano para a praga moniliophthora roreri, monilíase do cacaueiro, nos estados do Acre, Amazonas e Rondônia e a partir de segunda, 30, equipes do Instituto de Defesa Animal e Agroflorestal- IDAF e da Polícia Militar vão montar uma barreira sanitária na BR-364 na altura do Rio Liberdade.

“A barreira será de 24 horas e o objetivo é evitar que a praga se espalhe para o restante do Brasil”, explicou o diretor do Idaf do Acre, José Francisco Thun.

A praga, que também ataca o cupuaçu, foi confirmada há um mês em uma propriedade na zona urbana de Cruzeiro do Sul e nesta quinta-feira, 26, mais focos foram descobertos em Mâncio Lima. A praga, segundo o MAPA, deve ter vindo do Peru.

O objetivo da Declaração de Emergência é reforçar as medidas de prevenção e evitar a dispersão da praga para as áreas de cultivo de cacau e cupuaçu.

Desde a confirmação da ocorrência da praga equipes compostas por profissionais do Mapa, do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal IDAF/AC, da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia IDARON/RO, da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas ADAF/AM, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa e da Universidade de Brasília – UnB, estão em Cruzeiro do Sul fazendo varredura completa na área considerada como de maior risco de detecção de possíveis novos focos da praga.

O representante do MAPA que está em Cruzeiro, Carlos Goulart, pede apoio da comunidade. “Nós não vamos multar ou autuar propriedades. O objetivo é buscar e tratar as áreas atingidas”, pontua.

Nos próximos dias será publicado um ato complementar com o detalhamento das medidas a serem adotadas por cada estado, conforme o nível de risco e particularidades de cada, podendo englobar ações específicas relacionadas à fiscalização do trânsito de plantas hospedeiras, ao manejo preventivo da praga em áreas produtivas, campanhas de educação fitossanitária, mapeamento e eliminação de plantas.

Por Sandra Assunção

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas