18 de maio de 2022   |   14:56  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Bactérias encontradas na urina podem indicar câncer de próstata

Certas bactérias podem impulsionar tumores agressivos. A descoberta é capaz de fornecer novas maneiras de detectar e até prevenir o câncer.

_________________Publicidade_________________

Em estudo publicado pela revista científica European Urology Oncology, cientistas descobriram que bactérias presentes na urina podem estar ligadas à forma agressiva de câncer de próstata.

A descoberta pode fornecer novas maneiras de detectar e até prevenir esse tumor perigoso. Ainda assim, é cedo para dizer se a bactéria é que gera o câncer, em vez de ser apenas um marcador da doença.

De acordo com pesquisas, infecções bacterianas são conhecidas por desempenhar um papel no desenvolvimento de outros tipos de tumores. A H. pylori, por exemplo, é associada ao câncer de estômago.

Os diagnósticos atuais para tumor na próstata, como exame de PSA no sangue e de toque, nem sempre são capazes de prever ser a doença será do tipo agressiva. Por isso os pesquisadores avaliaram mais de 600 voluntários com e sem câncer de próstata, para entender a utilidade da detecção de bactérias na urina.

Eles identificaram cinco tipos de micro-organismos que eram comuns em amostras de urina e de tecidos de homens cujos tumores acabaram se tornando agressivos. Todos eram bactérias que anaeróbicas, que crescem sem oxigênio.

Duas das novas espécies de bactérias encontradas pela equipe receberam os nomes Porphyromonas bobii e Varibaculum próstatacancerukia.

“Entre as coisas que ainda não sabemos é como as pessoas pegam essas bactérias, se estão causando o câncer ou se uma resposta imunológica deficiente permite o crescimento delas. Mas esperamos que nossas descobertas e trabalhos futuros possam levar a novas opções de tratamento, para retardar ou impedir o desenvolvimento de câncer de próstata agressivo”, comenta a pesquisadora Rachel Hurst, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, uma das autoras do estudo recém-publicado, citada pela emissora britânica.

Os cientistas acreditam que é possível que algumas dessas bactérias produzam hormônios que impulsionam o desenvolvimento de tumores agressivos. Porém, novos estudos são necessários para estabelecer como os micro-organismos estão envolvidos no crescimento do tumor na próstata.

Via Metrópoles

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS

AS ÚLTIMAS

top 10 mais lidas