Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Avião da Gol está parado há 5 dias em RO após pane em voo que vinha para o Acre

_________________Publicidade_________________

Um Boeing 737 MAX, operado pela GOL Linhas Aéreas, está ‘estacionado’ há cinco dias no aeroporto Governador Jorge Teixeira, em Porto Velho, após apresentar problemas técnicos em um voo entre Brasília e Rio Branco.

Segundo o histórico de voo, a aeronave decolou na segunda-feira (16), às 21h08, do Aeroporto Internacional de Brasília e tinha como destino o estado do Acre.

Quando sobrevoava Rondônia houve uma indicação no painel do Boeing 737 MAX de que o óleo do motor estava desviando do filtro de óleo pelo canal de bypass.

Diante do alerta no painel, os pilotos adotaram os protocolos necessários de segurança e decidiram desviar o voo para Porto Velho, que pousou às 22h30 (hora local) sem maiores problemas. Os passageiros então desembarcaram e foram reacomodados em outro voo da GOL.

Porém, desde que pousou em Porto Velho, o Boeing 737 MAX (com a matrícula PR-XMC) não realizou mais voos domésticos. Um funcionário do aeroporto informou à Rede Amazônica que o avião está ‘estacionado’ desde a segunda-feira em Porto Velho.Registro da aeronave mostra que último voo do Boeing 737 MAX-8 parou em Porto Velho — Foto: Flightradar24/Reprodução

G1 questionou a Boeing sobre a previsão do 737 MAX voltar a voar, e quando será feito o reparo, mas a empresa informou que não tem nada para comentar sobre o incidente com a aeronave.

Abaixo, veja o que disse a GOL sobre o pouso desviado para Rondônia:

“A GOL confirma que o voo 1714, que partiu na segunda, dia 16 de agosto, de Brasília (BSB) com destino a Rio Branco (RBR), alternou para o aeroporto de Porto Velho (PVH) por conta de um problema técnico em um dos motores. A tripulação conduziu os procedimentos conforme preconizado, o pouso ocorreu normalmente e os passageiros foram reacomodados em outra aeronave para o destino final”.

Histórico turbulento

Em março de 2019, os 737 MAX foram obrigados a ficarem no chão depois que acidentes mataram 346 pessoas na Etiópia e na Indonésia, provocou ações judiciais, investigações do Congresso e do Departamento de Justiça e cortou uma fonte importante de renda da Boeing.

Um painel da Congresso dos Estados Unidos concluiu, após 18 meses de investigação, que os dois acidentes com o Boeing 737 MAX resultado de falhas da fabricante de aeronaves Boeing e da FAA. “Eles foram o terrível resultado de uma série de suposições técnicas incorretas dos engenheiros da Boeing, uma falta de transparência por parte da administração da Boeing e uma supervisão grosseiramente insuficiente da FAA”, concluiu o relatório.

Por G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas