1 de julho de 2022   |   09:06  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Após Europa, Estados Unidos confirmam primeiro caso de “varíola dos macacos”

Segundo as autoridades de saúde, o paciente, que viajou recentemente para o Canadá, está internado em condição estável.

_________________Publicidade_________________

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos está colaborando com autoridades de saúde do estado de Massachusetts em investigação sobre um caso de varíola, informou a agência na quarta-feira (18).

O caso de “varíola dos macacos” foi confirmado em um homem no estado que viajou recentemente para o Canadá, disseram as autoridades de saúde de Massachusetts no início do dia.

O paciente está internado em condição estável no Massachusetts General Hospital, afirmou o Dr. Paul Biddinger, em coletiva de imprensa. O homem está em uma sala de isolamento de infecções desde a última quinta-feira (12).

“Este paciente, felizmente, está indo muito bem agora, embora tenha sintomas que exigem hospitalização”, disse a Dra. Erica Shenoy.

Biddinger disse não ter certeza de como o paciente foi infectado, mas enfatizou “que historicamente, é uma doença muito rara, com transmissão muito rara em todo o mundo. O que vimos no Reino Unido, na Espanha e na Europa, tem sido novo e isso nos preocupa, mas, acho que apropriadamente, as pessoas não devem ter medo agora”.

O paciente atual “não apresenta risco à saúde pública”, disse a doutora, acrescentando que as pessoas devem “estar cientes dos sintomas, mas não ter medo”.

Shenoy, diretora médico do Centro de Tratamento de Patógenos Emergentes e Especiais, disse que o homem tem a cepa da varíola da África Ocidental, que é conhecida por ser menos grave.

As autoridades de saúde estão realizando o rastreamento de contatos do paciente, acrescentou Shenoy. O teste do indivíduo foi concluído pela primeira vez no laboratório de saúde pública do estado na terça-feira (17) e na quarta o CDC confirmou o caso por meio de seus próprios testes.

Autoridades de saúde canadenses disseram que nenhum caso de varíola foi relatado à Agência de Saúde Pública do país.

Infecções relatadas em todo o mundo

O CDC diz que também está rastreando vários casos de varíola que foram relatados nas últimas duas semanas em vários países que normalmente não relatam a doença, incluindo Portugal, Espanha e Reino Unido .

“Não está claro como as pessoas nesses grupos foram expostas à varíola, mas os casos incluem indivíduos que se identificam como homens que fazem sexo com homens”, disse a agência em um comunicado à imprensa.

“Muitos desses relatos globais de casos de varíola dos macacos estão ocorrendo dentro das redes sexuais. No entanto, os profissionais de saúde devem estar alertas a qualquer erupção cutânea que tenha características típicas da varíola dos macacos”, disse o Dr. Inger Damon, diretor da Divisão de Patógenos de Alta Consequência do CDC.

CDC dos EUA revisou orientações contra Covid-19 do governo Trump
Centro de Controle de Doenças dos EUA revisou orientações contra Covid-19 do governo Trump / Foto: Reprodução/CDC.gov

A agência diz que as pessoas que podem ter sintomas de varíola dos macacos e aqueles que têm contato próximo com eles devem entrar em contato com seu médico se tiverem erupções cutâneas ou lesões incomuns. Os sintomas podem incluir também inchaço dos gânglios linfáticos e febre.

A doença é uma infecção rara, mas perigosa, semelhante ao vírus da varíola agora erradicado. Geralmente é contraída de um roedor ou pequeno mamífero e não se espalha facilmente de uma pessoa para outra.

No entanto, o vírus da “varíola dos macacos” pode se espalhar através do contato com fluidos corporais, feridas ou itens como roupas e roupas de cama que foram contaminados com o vírus. Também pode se espalhar de pessoa para pessoa através de gotículas respiratórias, geralmente em um ambiente fechado, de acordo com o CDC.

O caso de Massachusetts é o primeiro caso relatado nos EUA este ano. O primeiro caso conhecido de “varíola de macaco” associado a viagens no país envolveu um homem que viajou da Nigéria para o Texas em julho de 2021. Um segundo caso nos EUA foi identificado no fim daquele ano, envolvendo também um viajante da Nigéria.

Com informações CNN.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS