Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Amapá confirma as duas primeiras mortes por sarampo do país em 2021

_________________Publicidade_________________

Vítimas da doença eram crianças ainda sem idade para vacinar: uma menina indígena de 4 meses e outra de 7 meses. Estado tem 80% dos infectados do país neste ano.

O Amapá registrou as duas primeiras – e únicas – mortes por sarampo em 2021 confirmadas até o momento no Brasil, segundo o Ministério da Saúde e o governo estadual. As vítimas, de 4 e 7 meses, ainda não tinham idade para vacinação à época em que foram confirmadas com a doença – a dose inicial é aplicada a partir dos 6 meses.

A primeira morte foi confirmada em 28 de março em Macapá. A bebê de 7 meses apresentou os sintomas iniciais em 24 de fevereiro, mais de um mês antes. Ela vivia com a família na Zona Oeste da capital.

O outro óbito era investigado entre duas gêmeas indígenas, de 4 meses, que morreram em dias diferentes com sintomas parecidos. Uma em 19 de abril e outra em 1º de maio em Pedra Branca do Amapari.

A Superintendência de Vigilância em Saúde do Amapá (SVS) confirmou a morte de uma delas por sarampo na sexta-feira (14), após resultados de exames enviados para análise na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Uma morreu de sarampo e a outra de dengue.

“Até o dia 14/05, não há outros casos de mortes notificados em outros estados brasileiros. O Ministério da Saúde reforça que apoia estados e municípios em ações de bloqueio, prevenção, rastreamento de casos e investigações necessárias para o enfrentamento à doença”, informou o Ministério em nota ao G1.

A confirmação das mortes acontece no momento em que o estado vive um surto da doença ao superar, em quatro meses e meio, todos os casos de sarampo registrados ao longo de 2020.

De acordo com dados da SVS, apenas nos 5 primeiros meses de 2021 o Amapá já superou o número de registros da doença catalogados durante todo o ano de 2020.

Até 11 de maio, foram 320 pessoas confirmadas com sarampo, diante de 297 entre janeiro e dezembro do ano passado. Outras 18 notificações estão sob investigação epidemiológica.

Vacina usada para o sarampo protege também contra caxumba e rubéola — Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Vacina usada para o sarampo protege também contra caxumba e rubéola — Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Boletim da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde evidenciam ainda mais a crise da doença no estado. Com dados até 16 de abril, o Amapá, com 260 confirmações, é responsável por 80,6% de todos os novos casos de sarampo de todo o país.

O sarampo tinha sido eliminado do Brasil em 2016. O vírus da doença foi reintroduzido em 2018 a partir da Venezuela e encontrou uma grande parcela da população desprotegida, não vacinada contra a doença.

Depois de 22 anos, o Amapá registrou os primeiros casos em outubro de 2019 e, desde então, enfrenta um surto da doença. As mortes das meninas eram as primeiras investigadas no estado.

G1 AMAPÁ

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas