Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Afeganistão: militares pedem que Biden decida sobre extensão de prazo de evacuações

_________________Publicidade_________________

Os militares dos Estados Unidos recomendaram ao presidente Joe Biden que ele decida até esta terça-feira (24) se estenderá a evacuação do Afeganistão para além de 31 de agosto, de acordo com um oficial de defesa diretamente familiarizado com as discussões. Biden ainda não tomou uma decisão final sobre este prazo.

Conselheiros militares disseram à Casa Branca que a decisão deveria ser tomada antes desta terça-feira para permitir tempo suficiente para a retirada de 5.800 soldados que estão atualmente em solo afegão, bem como seus equipamentos e armas.

Se o presidente concordar, os militares antecipam em “mais alguns dias” a tentativa de evacuar o maior número possível de pessoas antes que comece a redução das forças americanas – possivelmente no final desta semana.

Decisão em andamento

Nesta segunda-feira, Biden ainda estava decidindo se prorrogaria o prazo para retirar todas as forças dos EUA, segundo fontes informaram à CNN. Vários dos assessores do presidente desaconselharam a prorrogação, citando a situação da segurança no local. As autoridades passaram os últimos dias monitorando ameaças terroristas em potencial, citando informações “persistentes” e confiáveis ​​de que a situação caótica fora do campo de aviação criou um alvo para o Estado Islâmico e outras organizações.

O ultimato para a tomada de decisões dado pelo Pentágono a Biden segue a declaração do Talibã de que os Estados Unidos devem retirar todas as forças até 31 de agosto, prazo que as autoridades militares norte-americanas dizem que ainda planejam cumprir, com um ritmo acelerado de voos de evacuação – nos últimos dias, milhares de pessoas que saíram do Afeganistão – os militares dos EUA ainda entram em Cabul, conforme necessário, para resgatar pessoas.

Enquanto altos funcionários da segurança nacional dos EUA expressaram otimismo de que não haverá necessidade de se estender além de 31 de agosto, Biden disse que, se necessário, a missão para retirada de cidadãos americanos e alguns afegãos poderia continuar até setembro.

Por enquanto, o porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que os militares estão trabalhando com o prazo de 31 de agosto em mente. “Essa é a missão que o comandante-chefe nos deu… é isso que estamos tentando executar”, disse Kirby a repórteres em uma coletiva nesta segunda-feira.

Naquele mesmo dia, um porta-voz do Talibã disse que se as tropas dos EUA ainda estivessem no país depois de 31 de agosto, “nossa liderança tomará as decisões apropriadas e necessárias”.

Biden disse a repórteres no último domingo que “há discussões entre os militares sobre a extensão”. “Minha esperança é que não tenhamos que estender”, afirmou. Ele disse que a decisão pode depender “de quão longe estamos no processo” de evacuação dos americanos. O presidente também deve encontrar um incentivo dos aliados para estender o prazo durante uma reunião virtual de líderes do G7 na manhã de terça-feira.

Biden foi questionado sobre o que diria se os líderes do G7, que devem pressioná-lo por uma extensão, pedissem aos Estados Unidos que permanecessem mais tempo. “Veremos o que podemos fazer”, disse.

Soldados dos Estados Unidos puxando criança durante evacuação em Cabul na sexta-feira (20) / AP

‘Os recursos’

O assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, expressou otimismo de que o país será capaz de remover todos os americanos que desejam deixar o Afeganistão antes do prazo final de 31 de agosto. “Nos dias que faltam, acreditamos que temos os recursos para tirar os cidadãos americanos de Cabul”, disse Sullivan durante entrevista coletiva na Casa Branca nesta segunda-feira.

Com o tempo correndo, o Pentágono disse que os aviões dos EUA e da coalizão evacuaram aproximadamente 16 mil pessoas de Cabul nas últimas 24 horas, e os militares transportaram pouco menos de 11 mil deles.

As autoridades americanas se recusaram a dizer quantos cidadãos foram evacuados, mas de acordo com uma fonte familiarizada com o relatório da administração “SitRep”, a partir das 7h30 desta segunda-feira, a operação de evacuação removeu 4.293 cidadãos americanos do Afeganistão desde que os voos dos EUA começaram.

A fonte disse que o relatório mostra que 369 americanos haviam “feito manifestações desde a meia-noite no horário de Cabul” naquele dia, falando sobre a natureza do esforço de 24 horas. O relatório também observa que mil cidadãos americanos foram contatados para ir ao aeroporto, “mas alguns podem estar fora do Afeganistão”.

Sullivan disse que uma das razões pelas quais os Estados Unidos não podem ter certeza de quantos americanos estão no Afeganistão é que eles não são obrigados a registrar sua presença na embaixada quando entram no país ou notificar a embaixada.

O relatório ainda afirmaria que “desde o início das operações” 20.156 afegãos foram evacuados junto com 642 nacionais de países terceiros ou pessoas de origem desconhecida. O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse que eles não estão compartilhando essas informações publicamente porque não querem dar informações aproximadas ou desatualizadas.

À medida que a evacuação avança, Sullivan disse que os Estados Unidos estão em contato com o Talibã diariamente por meio de canais políticos e de segurança. Ele alertou que, independentemente das advertências do Talibã, caberá a Biden, manter os soldados americanos no Afeganistão após o final do mês para ajudar nas evacuações.

“Como eu disse, estamos colaborando com o Talibã, consultando-o sobre todos os aspectos do que está acontecendo em Cabul agora… Continuaremos essas conversas com eles. Em última análise, caberá ao presidente decidir como isso proceder”, disse ele.

‘Quando houver necessidade’

À medida que a missão para evacuar cidadãos americanos, requerentes de visto e outros afegãos vulneráveis ​​acelerou dramaticamente no fim de semana, o Pentágono disse na segunda-feira que os militares dos EUA estavam entrando na cidade de Cabul para remover pessoas e levá-las ao aeroporto conforme necessário.

Kirby enfatizou que esses casos não ocorrem “regularmente”, mas “às vezes, quando há uma necessidade e há a capacidade de atender a essa necessidade”. “Nossos comandantes no terreno estão fazendo o que acham que precisam fazer para ajudar os americanos a chegarem ao aeroporto”, disse Kirby.

Além de uma situação relatada anteriormente em que quatro helicópteros militares Chinook dos EUA retiraram 169 pessoas do telhado do Baron Hotel e as transportaram para o aeroporto na última quinta-feira, houve “uma instância adicional” em que helicópteros foram usados ​​para transportar os evacuados para o aeroporto de Cabul, relatou Kirby.

Ele não forneceu detalhes sobre onde e quando este caso ocorreu, mas disse que nenhum soldado adicional será enviado antes de 31 de agosto para ajudar com esses tipos de missões.

Na semana passada, o secretário de Defesa Lloyd Austin disse que as forças americanas baseadas no aeroporto não tinham capacidade de ir à cidade para resgatar “grandes grupos” de pessoas que precisavam chegar ao local para sair do país.

Falando sobre o prazo de 31 de agosto, Sullivan disse que “a questão é: estamos no caminho para cumprir nossos objetivos desta operação? Retire nosso povo, tantos afegãos que nos ajudaram e tantos afegãos em risco. E nós pensamos que estamos.”

Soldado dos Estados Unidos cumprimenta criança no Aeroporto Internacional de Cabul, durante a retirada das tropas na sexta-feira (20) / AP

Mas afegãos empregados pela embaixada disseram à CNN que suas tentativas de chegar ao aeroporto e sair do país foram brutalmente exaustivas e malsucedidas – eles até conseguiram chegar ao aeroporto, mas ficaram feridos e mentalmente perturbados para chegar até lá.

Quando questionado sobre suas tentativas de conseguir voos de evacuação, Price, um porta-voz do Departamento de Estado, disse que o pessoal empregado localmente “é absolutamente uma prioridade”.

“Eles são absolutamente parte de nossos planos. E esse compromisso com eles, com sua segurança e proteção, é algo que de forma alguma diminuiu”, disse ele em entrevista coletiva nesta segunda-feira. Price disse que eles conseguiram realocar funcionários locais, mas não forneceu números específicos.

Afegãos enfrentam riscos para chegar até o aeroporto de Cabul

Price afirmou ainda que o pessoal localmente empregado na Embaixada dos Estados Unidos em Cabul não foi evacuado para o aeroporto com o pessoal dos Estados Unidos “só porque eles não estavam no complexo da embaixada naquele dia”.

“Quando a embaixada foi evacuada e nossa equipe começou a se dirigir da embaixada em Cabul para as instalações seguras no aeroporto, muitos, senão todos os funcionários recrutados localmente, não estavam presentes no local da embaixada na época. Eles estavam trabalhando remotamente devido à situação de segurança volátil; muitos estavam em casa, eles não estavam no trabalho”, disse ele.

CNN informou na última semana que a embaixada enviou um aviso a milhares de funcionários locais dizendo que eles podem ir ao aeroporto para um vôo de evacuação, mas alguns dos afegãos que chegaram ao aeroporto foram afetados, tendo perdido a maior parte de seus seus pertences ao longo do caminho, de acordo com várias fontes familiarizadas com o assunto.

Outros afegãos decidiram que não queriam nem empreender a viagem perigosa, embora quisessem desesperadamente deixar o país. Outros que correram riscos tiveram que recuar depois de enfrentar situações insustentáveis.

“Decidi que preferia que o Talibã atirasse em minha cabeça do que ser pego nessa situação”, disse um afegão que trabalhou na embaixada durante anos ao descrever sua viagem à CNN.

Ellie Kaufman e Kaitlan Collins, da CNN, contribuíram para esta reportagem

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas