16 de agosto de 2022   |   21:14  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Acre registra 159 focos de queimadas em menos de 30 dias

No período de 7 meses o estado já registra 296 focos de queimadas.

_________________Publicidade_________________

Nos primeiros 21 dias de julho foram registrados 159 focos de queimadas segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

No acumulado o Acre já registra 296 focos de calor no período de janeiro a 21 de julho. Com o verão amazônico o tempo seco prolifera e a incidência de incêndios aumenta, e os dados já coletados formam um cenário preocupante. Como forma de prevenção o Corpo de Bombeiros fizeram um simulado de incêndio e resgate a vítimas neste sábado (23).

O tenente Freitas Filho, disse que militares de vários estados participaram de uma troca de um “feedback” e puderam ver as adversidades da região.

“É bastante difícil essa atividade, bastante penosa, exige bastante condicionamento físico, muito conhecimento técnico e muito envolvimento institucional e profissional de cada um. Durante esta semana, nesse nivelamento do conhecimento, tivemos instruções de APH [atendimento pré-hospitalar], já que a região amazônica é de difícil acesso e estamos suscetíveis a acidentes, tanto na área urbana, como rural. Tivemos instruções também de sobrevivência na selva, tivemos a parte de prevenção e combate a incêndio, tanto a nível educativo como operacional de respostas, então nossos militares puderam fazer”, disse.

O tenente também reforçou que é proibido queimar essa época do ano, esse ato agrava ainda os problemas ocasionados pelo tempo seco.

“É proibido queimar nessa época do ano, com algumas exceções apenas, temos decretos que regulamentam isso. Quem pratica esse tipo de ação está cometendo um crime e, além de estar cometendo esse tipo de ação, está impactando o meio ambiente, saúde pública, porque vemos hospitais com alto estresse com grande atendimento de pessoas com doenças respiratórias. Simulamos, inclusive, o caos que provoca na saúde e economia, com perda de pastos e plantações”, finaliza.

Com informações G1 Acre

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS