22 de maio de 2022   |   12:13  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Acre está entre os 15 estados com mais desastres naturais em dez anos, aponta pesquisa

Em todo o país, o número de pessoas afetadas durante o período estudado ultrapassa a marca de 347 milhões.

_________________Publicidade_________________

O Acre está entre os dez estados da federação que mais sofreram com desastres naturais entre os anos de 2013 a 2022. Isto quem diz é um relatório emitido pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), onde ranqueia as unidades federativas que mais registraram ocorrências de tragédias advindas da natureza.

Para efeitos de pesquisa, a CNM fez o levantamento com base na quantidade de decretações municipais de anormalidade. Nesse sentido, todos os estados da região Norte entraram no ranking.

O Acre, por sua vez, figura na 12ª colocação, com 154 desastres entre 2013 e 2022. A CNM define como desastres naturais situações como estiagem ou seca, doenças infecciosas – como é o caso da Covid-19 -, chuvas, inundações, alagamentos, incêndios florestais em áreas não protegidas e deslizamentos.

Outro ponto do relatório diz respeito à quantidade de verbas recebidas para que ações de enfrentamento a estas tragédias fossem postas em prática. De 2010 a 2022, o Acre recebeu R$ 86 bilhões, sendo R$14 bilhões somente em 2021, quando o estado enfrentou crise migratória, surto de dengue, colapso na saúde por conta da Covid-19 e cheia histórica que atingiu dezenas de municípios acreanos.

Somente em 2022, o Acre registrou 11 decretações de anormalidade, sendo o terceiro da região Norte com mais registros, atrás apenas do Pará, com 74, e Tocantins, com 148. No entanto, o ano que mais houve registros no estado foi em 2020, com 53.

Em todo o país, o número de pessoas afetadas durante o período estudado ultrapassa a marca de 347 milhões. Somente em 2022, 7,9 milhões de brasileiros foram afetados de alguma forma. O estado líder do ranking é Minas Gerais, com mais de 8 mil ocorrências.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, comentou em entrevista recente, que apesar de serem enquadradas em desastres naturais, a maioria das ocorrências têm contribuição direta do ser humano para que isto seja acelerado.

“Atribuo isso tudo a uma questão da natureza, mas muito provocada pela intervenção humana. Lógico que pode ter um componente […] mas é uma consequência da forma como a economia está andando, é toda produção, ocupação do solo, gestão ambiental em seu conjunto”.

Via ContilNet

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS