Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

A VERDADEIRA RAZÃO PELA QUAL AS ESTÁTUAS DO EGITO TÊM OS NARIZES QUEBRADOS

Uma hipótese que continua recorrente é a de que teria sido uma tentativa dos colonialistas europeus de apagar as raízes africanas dos antigos egípcios, mas especialistas afirmam que essa teoria é infundada

Por várias décadas, este foi um mistério não solucionado entre especialistas e entusiastas do Antigo Egito, uma das civilizações mais antigas e duradouras do mundo.

À primeira vista, parece algo esperado: a passagem de milhares de anos torna inevitável o desgaste de qualquer obra. Mas por que havia tantas estátuas imaculadas em que a única parte que faltava era o nariz?

Talvez porque, afinal, se algo corre o risco de quebrar, é aquela parte proeminente, a mais exposta.

No entanto, se for assim, como explicar que obras de representação bidimensional geralmente apresentem os mesmos danos?

O assunto deu origem a suposições, incluindo uma hipótese amarga que continua recorrente, embora tenha sido refutada: a de que teria sido uma tentativa dos colonialistas europeus de apagar as raízes africanas dos antigos egípcios.

No entanto, especialistas afirmam que essa teoria é infundada, entre outras razões porque os narizes não são a única evidência física dessas origens. E eles concordam que, apesar dos muitos horrores do imperialismo, este não seria um deles.

Então, o que poderia ter acontecido?

PODERES DIVINOS

A resposta mais confiável neste ponto se resume em uma palavra: iconoclastia (do grego Eikonoklasmos, que significa “quebra de imagens”).

Não estamos falando dos seguidores da corrente do século 8 que rejeitaram o culto às imagens sagradas, destruíram-nas e perseguiram aqueles que as veneravam. Nesse caso, o termo é usado de forma mais ampla para se referir à crença social na importância da destruição de ícones e outras imagens ou monumentos, muitas vezes por motivos religiosos ou políticos.

E faz muito sentido quando você considera que, para os antigos egípcios, as estátuas eram o ponto de contato entre os seres divinos e os terrenos.

Representações bidimensionais também apresentam o mesmo tipo de danos, como nesta, da 19ª Dinastia, por volta de 1200 a.C., em homenagem ao deus Ptah Foto: Getty Images
Representações bidimensionais também apresentam o mesmo tipo de danos, como nesta, da 19ª Dinastia, por volta de 1200 a.C., em homenagem ao deus Ptah Foto: Getty Images

Os antigos egípcios acreditavam que as imagens poderiam abrigar poder sobrenatural, como explica Edward Bleiberg, o curador sênior de arte egípcia, clássica e do antigo Oriente Médio do Museu do Brooklyn nos Estados Unidos.

Bleiberg explorou a questão motivado pelo fato de que a indagação mais comum dos visitantes do museu era “por que seus narizes estão quebrados?”. Ele explica que as palavras “escultura” e “escultor” enfatizam que as imagens estão vivas.

Via-Época

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas